[ATUALIZADO] Trending Topics do Twitter podem ser manipulados facilmente

[ATUALIZADO] Trending Topics do Twitter podem ser manipulados facilmente

Por Felipe Gugelmin | Editado por Claudio Yuge | 07 de Junho de 2021 às 20h20

[Atualizado com o posicionamento do Twitter ao final do texto]

Quando vemos um assunto chegando aos Trending Topics do Twitter, imediatamente pensamos que eles são importantes para o contexto atual. No entanto, pesquisadores do Swiss Federal Institute em Lausanne (EPFL) descobriram que os algoritmos da plataforma podem ser manipulados facilmente para trazer à tona assuntos que não são muito legítimos, nem surgiram de forma natural.

Segundo o EPFL, na hora de determinar se um assunto vai aos Trending Topics, o algoritmo não leva em consideração se uma mensagem foi apagada ou não. Ou seja, uma frase ou tópico pode ganhar destaque a partir de um ataque coordenado de mensagens publicadas por bots que apagam seus rastros logo depois.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Captura de Tela/Canaltech

A prática está sendo chamada de “astroturfing efêmero” e pode ser usada tanto para gerar influência entre os usuários quanto para gerar monetização de grupos específicos ou iniciar ataques de phishing. O termo astroturfing surge do mundo da política, no qual define movimentos aparentemente populares, mas que são criados e financiados por grupos privados com interesses bem definidos.

“As tendências são atualizadas a cada cinco minutos, levando em consideração os tweets que foram publicados em certo intervalo”, descreve a pesquisa. “No entanto, apesar da importância da integridade dessas listas de tendências, o algoritmo não confere se esses tweets ainda estão disponíveis ou foram deletados”.

Manipulação de grande repercussão

Segundo o EPFL, 47% dos Trending Topics na Turquia e pelo menos 20% dos Trending Topics globais foram afetados pela prática durante o período de estudo. Além de promover assuntos específicos, os golpistas usam bots e contas comprometidas para divulgar aplicativos, campanhas de desinformação, discurso de ódio e links com phishing — até mesmo propostas de casamento entraram na lista.

O que torna a manipulação perigosa é o fato de ela conseguir manipular questões de opinião pública: uma hashtag apoiando determinado grupo político, por exemplo, vai chamar a atenção de meios de comunicação, que vão relatar o caso. O próprio estudo traz um exemplo prático disso na forma de uma hashtag que atacava refugidos sírios que estavam dentro da Turquia que teve grande repercussão, apesar de ter sido fabricada artificialmente.

Posicionamento oficial do Twitter

Em contato com a reportagem realizada na manhã desta terça-feira (8), o Twitter afirmou que vai avaliar cuidadosamente os resultados do estudo e segue procurando formas de aprimorar seus sistemas. Confira o posicionamento oficial da empresa:

Nosso trabalho para proteger a saúde da conversa pública no Twitter inclui o monitoramento frequente dos Assuntos do Momento e das sugestões de autocompletar na área de buscas, justamente para mitigar a presença de conteúdos e/ou comportamentos que violam as nossas regras. Nossa equipe está avaliando cuidadosamente os resultados do estudo e, como sempre, segue procurando novas formas de aprimorar nossos sistemas, se e quando isso for apropriado ou recomendável. Saiba mais sobre nossa política contra spam e manipulação da plataforma neste link: https://help.twitter.com/pt/rules-and-policies/platform-manipulation

Fonte: The Next Web

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.