Quatro patas e milhares de seguidores! Conheça os pets mais influentes da web

Por Nathan Vieira | 28 de Janeiro de 2020 às 17h00

Oi, meninas! Tudo bom? É simplesmente indiscutível a ideia de que vivemos numa época com as redes sociais em ascensão, com os influenciadores digitais dominando e revolucionando esse mercado, principalmente quando diz respeito ao Instagram, utilizando o site em questão para engajar público. O grande diferencial é que um influenciador tem uma conexão estreita com os seus seguidores, pois consegue fazer com que eles prestem atenção em tudo o que postam e, consequentemente, inspiram a comprar os produtos que elas usam.

Não é à toa que as agências de marketing e publicidade estão apostando cada vez mais alto nessas webcelebridades para fazer seus anúncios patrocinados. Um Digital Influencer pode ser identificado não só a partir do seu número de seguidores nas redes sociais, mas sim pelo engajamento do seu público nas postagens. No entanto, existe um nicho que tem conquistado cada vez mais o seu espaço: os petfluencers.

Cães, gatos e — por que não? — até pássaros e roedores têm marcado cada vez mais presença no feed das pessoas. A função, em relação a outros influencers, é basicamente a mesma, mas com direito a uma dose extra de fofura. Com isso em mente, o Canaltech entrevistou os donos de alguns dos pets mais influentes do Instagram, com direito a sugestões de contas para você seguir e, ainda por cima, dicas para você que quer que o seu bichinho seja um influencer:

Paçoca Dog

Você já assistiu ao programa Hoje em Dia, da Record? Pois foi lá que começou a fama de Paçoca, o cãozinho do apresentador Celso Zucatelli. Paçoca ostenta uma conta no Instagram recheada de seguidores (157 mil, até o presente momento) e conquistou o carinho do público logo de cara. "No primeiro dia dele no Hoje em Dia os telefones bombaram, foi uma loucura. Mas a gente sacou o tamanho disso com as abordagens na rua, mesmo. Tem gente que chora de emoção quando encontra ele e isso é um presente pra gente. É uma alegria saber que ele faz bem pras pessoas e espalha alegria", conta Zucatelli.

Ver essa foto no Instagram

Já tô pronto pra festa de Réveillon. Por favor, humanos, sem fogos! Viva 2020!!!

Uma publicação compartilhada por pacocadog (@pacocadog) em

Paçoca já tem oito anos e, de acordo com o apresentador, chegou depois de uma campanha familiar gigantesca, pois o Zucatelli precisou passar mais de uma década tentando convencer a Ana, sua esposa. O cão ainda conta com uma irmãzinha, chamada Tapioca (que também não é fraca, não: ostenta 25 mil seguidores em sua conta). A presença de Paçoca nesse nicho de influenciadores teve início a partir de um objetivo: oferecer conteúdo exclusivo para quem ama o universo pet. "Um espaço só dele, assim com a Tapi tem as redes dela. É claro que os dois também estão presentes nas minhas e nas da Ana, mas nas deles é só universo pet", explica o dono dos bichinhos.

Sobre a rotina de Paçoca, Zucatelli conta que o doguinho cresceu com ele no estúdio, convivendo com gente, participando de gravações e eventos, então tudo que ele não gosta é ficar em casa. "Os encontros com fãs e os eventos de fotos são emocionantes. E as gravações de campanhas são muito divertidas, as equipes amam trabalhar com ele. É só diversão", afirma.

Durante a conversa com o apresentador, a equipe do Canaltech pediu dicas para quem está iniciando ou gostaria de colocar o pet nas redes, e o pai do Paçoca diz o seguinte: "Mostre a verdade, registre os momentos em que seus filhos de quatro patas te fazem rir. É claro que uma coisa produzida ou outra é legal, mas o que faz bem mesmo para o seguidor é a imagem verdadeira, natural, da sua rotina com eles".

Estopinha Capixaba

E que tal o pinscher mais seguido do mundo no Facebook (1,5 milhões)? Estamos falando de Estopinha Capixaba, que também não passa despercebido nas redes sociais. No Instagram, 280 mil usuários acompanham as publicações do doguinho do Espírito Santo, sempre ao lado de seu irmão Catatau.

Ver essa foto no Instagram

Realizando as comprinhas de natal!!

Uma publicação compartilhada por Estopinha Capixaba Oficial️️ (@estopinha.capixaba) em

Os dois integram a família do professor Ozeias. Ele conta que, em agosto de 2014, um ex-aluno do ensino fundamental doou um pinscher, irmão da primeira cria da mãe do Estopinha Capixaba. Alguns meses depois, o cachorrinho que se chamava Foguinho foi atropelado. "Foi uma comoção na escola, todos os alunos ficaram sensibilizados. E o aluno que doou disse que não era pra eu ficar triste porque a cachorrinha estava prenha de novo. Poucos dias depois, a mãe do aluno trouxe em uma caixa os dois, muito fraquinhos porque a cadela não quis amamentar, e eles ficaram bem doentes", relembra.

O estopim da fama do Estopinha (percebeu o trocadilho?) teve início quando um vídeo que foi postado na página do Facebook alcançou 150 mil curtidas e mais de 100 milhões de "pessoas atingidas". O professor explica que a fama dele não foi programada, tampouco esperada, "simplesmente aconteceu".

E você acha que rotina de cãofluencer é fácil, meu caro? Segundo Ozeias, é uma rotina bem frenética, isso sim. "São milhares de mensagens de seguidores, comentários, solicitação de entrevistas e nem sempre é possível ler o conteúdo das mensagens por serem muitas. Eles ja participaram de algumas campanha publicitária e presenças VIP, sempre que possível os dois presentes". O professor ainda aproveita para relembrar o aniversário dos dois, que aconteceu no maior shopping do Espírito Santo e contou com a presença da imprensa.

Durante a conversa com o Canaltech, o "pai" de Estopinha e Catatau traz à tona o lado de ser influencer que mais exige cuidado: "Quem se expõe em rede social deve ter o psicológico preparado para as criticas, porque tem pessoas que tem como objetivo postar comentários negativos e depreciar o outro".

Vale dizer que o Estopinha Capixaba não é o mesmo catioro que a Estopinha (do adestrador Alexandre Rossi) — ela também tem uma conta movimentadíssima, distribuindo charme e viralatices para mais de 640 mil seguidores.

Cansei de ser gato

E nem só de cachorro vive o Instagram, pois os gatos também estão com a corda toda. É o caso de Chico, de sete anos, ou como consta na própria bio: "Ator, modelo, dançarino, escritor, digital influencer, podcaster, CEO e líder da dominação mundial felina". Tá bom pra você?!

Ver essa foto no Instagram

#retrospectiva2019 esse ano eu tive a honra de interpretar a capitã marvel ❤ @marvelbrasil #canseidesergato

Uma publicação compartilhada por Cansei de ser gato (@canseidesergato) em

Chico conta com 487 mil seguidores até o momento, e sua carinha está por trás de várias campanhas publicitárias. Mas sua história começa no interior de São Paulo, onde foi encontrado, assim como contam as donas, Amanda e Stéfany. "Ele apareceu na casa onde nossa amiga estava hospedada e na hora de vir embora, ela ficou com dó de deixar ele lá e acabou trazendo ele para São Paulo. Ela tentou deixar ele em vários pet shops, só que ninguém queria ficar com ele. E no mesmo dia, por coincidência, tínhamos postado no Facebook que queríamos adotar um gato tigrado, e acabamos ficando com ele".

As meninas contam que perceberam que o Chico estava famoso porque, além da imprensa começar a procurá-las devido ao sucesso da página no Facebook, as marcas também começaram a querer fazer parcerias. Foram simplesmente 20 mil seguidores em apenas uma semana. Elas ainda contam que o Chico tem uma vida normal de gato de apartamento. "Alguns dias fazemos fotos, mas costuma ser algo bem rápido, como ele não se incomoda com a câmera e os acessórios, isso não costuma levar mais de 10 minutos. Sobre os fãs, o Chico administra tudo pela internet! Responde mensagens, interage com seguidores e atende seus clientes. Nunca fez um encontro com fãs, apenas esteve presente no lançamento do seu 2º livro, na Livraria Cultura, em São Paulo".

Mas, espera um minuto: livro? Pois é, pessoal! O Chico é finíssimo assim mesmo. As duas meninas contam que o trabalho mais marcante envolvendo o fato foi o lançamento da sua biografia (mais ou menos) autorizada, que foi publicada em 2015 pela Editora Intrínseca. O livro chama Cansei de ser gato: do capim ao sachê. Para você que está pensando em fazer um Insta para o seu gatinho, Amanda e Stéfany aconselham apostar na originalidade. "É essencial! Tudo na internet é facilmente encontrado, então copiar algo que alguém já está fazendo não é um bom caminho", afirmam.

Outros pets para seguir

Bono, o cão surfista, já é penta campeão mundial de surf dog (Foto: Reprodução/Instagram)

Não apenas no Brasil, mas em vários outros países também, os pets melhoram os dias das pessoas com fotos fofas e engraçadas, e geram aquele famigerado engajamento. E como seguir esses bichinhos nunca é demais, trouxemos alguns nomes para você dar uma olhadinha: Bob & Marley (332 mil seguidores), por exemplo, formam uma duplinha de Golden Retriever bem unida e carinhosa, com direito a várias lambidas. Outra dupla de Golden Retriver é formada por Google e Goo Jr (166 mil seguidores). E que tal uma família inteirinha de Lulus da Pomerânia? É só ir lá na Big Pom Family (167 mil seguidores), com seis doguinhos.

Mas se a sua vibe é mais aventureira, um Instagram que vai encher teu feed de conteúdo assim é o Bono, o cão surfista (112 mil seguidores), penta campeão mundial de Surf Dog. Yellow, a ciclista (58 mil seguidores), também vale o follow. Ela foi abandonada em uma pista de Mountain Bike e agora reina no Instagram com seu humano, participando de várias aventuras.

Na gringa, há nomes como o Doug The Pug (3,8 milhões de seguidores), que chegou até a vencer um People's Choice Awards. Jiff Pom, outro lulu da pomerânia, também faz a alegria dos norte-americanos, com nada menos que 9,8 milhões de seguidores. E para finalizar, não deixe deseguir Esther, the wonder pig. Sim, uma porquinha carismática que já conta com 595 mil seguidores.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.