Publicidade

Instagram inicia testes com assinaturas de perfis estilo OnlyFans

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 19 de Janeiro de 2022 às 18h15

Link copiado!

Unsplash/Gabrielle Henderson
Unsplash/Gabrielle Henderson
Tudo sobre Instagram

O Instagram começou a fazer experimentos com o recurso de assinaturas para um pequeno grupo de perfis selecionados nos Estados Unidos. A novidade foi vista pela primeira vez em novembro, mas agora deve entregar aos criadores uma forma alternativa de monetizar a produção.

Os influenciadores poderão oferecer acesso pago a vídeos e Stories exclusivos por meio do Instagram Live. Os assinantes receberão um selo especial para destacá-los na seção de comentários e caixas de entrada dos criadores.

Continua após a publicidade

A ideia por trás disso é gerar renda para os profissionais e incentivar o engajamento, já que esses "patrocinadores" tenderão a comentar mais para exibir o selinho. Até agora, somente 10 criadores dos EUA tiveram acesso a recurso, e estes devem enviar feedbacks para a plataforma.

O preço das assinaturas será definida pelos criadores, conforme o tipo de conteúdo produzido ou critérios próprios. São oito faixas de valores que começam em US$ 0,99 e chegam até a US$ 99,99 por mês. É provável que a maioria dos criadores fique na variante dos preços inferiores até, no máximo, US$ 9,99 mensais — mas nada impede que entreguem conteúdos tão bons a ponto de cobrar US$ 19,99, US$ 49,99 ou US$ 99,99.

Uma vez inscritos, os usuários poderão acessar todo conteúdo anterior exclusivo dos assinantes, como Stories salvos como Destaques ou publicações restritas. Sempre que houver uma live fechada, essas pessoas serão notificadas para participarem, o que será uma oportunidade para se aproximar do seu criador favorito com a audiência menor.

Continua após a publicidade

Stories apenas para assinantes serão marcados com um anel roxo em volta da foto do perfil e poderão usar enquetes ou outros recursos específicos Os selos de assinantes também serão roxos para ressaltar a importância nas conversas do Instagram.

Ferramentas para os criadores

Sobre uma possível cópia de conteúdo exclusivo dos criadores, o Instagram disse ao site TechCrunch que trabalha em uma ferramenta para impedir. Nesta fase inicial, contudo, a tecnologia não está disponível. Vale lembrar que compartilhar conteúdo de terceiros sem autorização é crime e implica em violação dos termos do Instagram, o que pode levar ao banimento permanente da conta.

A aba exclusiva com dados sobre assinantes e dados interessantes para orientar a produção dos criadores ainda não estão liberados. Os criadores poderão estimar seus ganhos totais ao analisar o total de assinantes, os novos inscritos e eventuais cancelamentos ocorridos no decorrer do mês.

Continua após a publicidade

Também ainda está ausente a opção de exportar a lista de assinantes ou informações de contato destes (como nome, telefone e e-mail), mas isto deve chegar futuramente. A ideia é permitir que as celebridades possam se conectar aos apoiadores também fora da plataforma, com newsletters ou e-mail marketing.

Como apoiar um criador no Instagram

A compra de assinaturas no Instagram deve ser parecida com o sistema de Super Follow implantado pelo Twitter. A premissa é a mesma, de pagar para ver posts exclusivos e se destacar em threads no meio da multidão. No caso da rede da Meta, há uma vantagem adicional sobre o rival: os vídeos do Stories.

Continua após a publicidade

Não haverá nenhum tipo de desconto do Instagram nas receitas dos criadores até 2023, mas é bom lembrar que as taxas de App Store (iOS) e Play Store (Android) podem deixar os custos mais elevados.

O Instagram Subscriptions ainda deve passar por um longo processo de amadurecimento e testagem. É impossível saber se a novidade chegará para outras regiões do mundo, e isso deve depender da receptividade no principal mercado do mundo.

Se tudo der certo por lá, pode ser que os criadores brasileiros tenham mais essa ferramenta para ajudar na arrecadação financeira, caso contrário será só mais uma incursão falha da Meta.

Fonte: TechCrunch