Facebook permite que usuários do Afeganistão “tranquem” contas com um clique

Facebook permite que usuários do Afeganistão “tranquem” contas com um clique

Por Felipe Demartini | Editado por Douglas Ciriaco | 20 de Agosto de 2021 às 13h20
LightFieldStudios/envato

O Facebook anunciou nesta semana um recurso voltado à proteção de contas de usuários em meio à crise humanitária no Afeganistão, permitindo que as pessoas “tranquem” seus perfis com um único clique. A ferramenta facilita e concentra os mecanismos de privacidade, impedindo que desconhecidos tenham acesso a publicações, listas de amigos e outros elementos que permitiram perseguição e intimidação.

O lançamento da opção está sendo divulgado aos usuários do Afeganistão por meio de uma notificação, cuja aplicação é recomendada. Com um único clique, o chamado trancamento da conta impede a visualização de publicações e listas de contatos por usuários não adicionados, além de impedir o download e compartilhamento de fotos postadas. O recurso também pode ser personalizado, caso o utilizador não queira realizar um bloqueio completo.

Com o lançamento, o Facebook também está recomendando que usuários de outros países que tenham amigos no Afeganistão também ocultem temporariamente as listas de amigos e postagens nas quais tais indivíduos sejam citados. Segundo a empresa, o recurso faz parte de uma parceria entre a rede social, agências governamentais, ONGs e a sociedade civil, diante da crise que está se desenrolando no país.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Usuários do Facebook no Afeganistão podem restringir acesso a contas com um único clique, como forma de proteção contra a perseguição, bem como a localização de amigos e familiares (Imagem: Divulgação/Facebook)

De acordo com Nathaniel Gleicher, diretor de políticas de segurança do Facebook, a ideia é limitar a visualização das publicações de forma a evitar casos de perseguição e intimidação, além de espionagem. O executivo disse, também, que a rede social criou um centro de operações especiais dedicado apenas a possíveis ameaças que possam surgir durante a crise no Afeganistão, cujas imagens chocantes vem sendo exibidas na imprensa desde o início da semana.

As tensões começaram após a retirada das tropas americanas do país, com o Talibã assumindo o controle das cidades e dos governos. Com isso, jornalistas, tradutores, opositores políticos e outros colaboradores do antigo regime começaram a sofrer perseguição ferrenha, com relatos de mortes e punições relacionadas à associação com os soldados das forças internacionais que estavam presentes no país há quase 20 anos.

As medidas de segurança também serão aplicadas ao Instagram, mas de maneira diferente, com alertas que indicam os passos específicos para que as contas sejam protegidas. As notificações incluem, ainda, links para sites oficiais e guias de segurança, com mais dicas sobre a proteção de dispositivos, serviços e contas de usuários, bem como de seus dados, contra perseguição.

Fonte: Nathaniel Gleicher (Twitter)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.