EUA é acusado de espionar líderes da União Europeia

EUA é acusado de espionar líderes da União Europeia

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 03 de Junho de 2021 às 23h00
Divulgação/NSA

Um relatório trazido a público pela imprensa da Dinamarca acusa os Estados Unidos de terem contato com a colaboração do país em uma campanha de espionagem contra políticos e oficiais da União Europeia. Líderes de pelo menos quatro países — Alemanha, França, Noruega e Suécia — teriam sido alvo da operação, que envolveu acesso a e-mails, mensagens e demais comunicações diplomáticas que deveriam ser sigilosas.

Os trabalhos teriam sido feitos com o aval do Serviço de Inteligência e Defesa da Dinamarca (FE, na sigla original), que teria dado à NSA (Agência de Segurança Nacional, na sigla em inglês) acesso aos cabos de internet do país. Assim, os americanos teriam acesso às comunicações oficiais que passam por lá e seguiam para o resto da Europa ou do mundo. Entre os líderes que teriam sido espionados pelos EUA está a chanceler alemã Angela Merkel, além de outros oficiais de relações exteriores e líderes da oposição do país.

As informações divulgadas pela DR, serviço estatal dinamarquês de rádio e televisão, mencionam uma operação que teria acontecido pelo menos entre 2012 e 2014. O relatório sobre o caso, cuja investigação foi batizada de Operação Dunhammer, foi finalizado pelas autoridades do país em 2015, mas apenas agora veio à público.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Os achados ainda se unem aos fatos divulgados pelo ativista Edward Snowden em 2013. Naquela ocasião, ele já havia delatado um esquema de espionagem internacional conduzido pela NSA, focado no acesso a ligações e comunicações em texto de, pelo menos, 35 líderes de países ao redor do mundo, incluindo aliados. Merkel já fazia parte da lista publicada há oito anos, que inclui também a então presidenta do Brasil, Dilma Rousseff.

Tanto a líder da Alemanha quanto o presidente francês Emmanuel Macron repudiaram os achados durante uma conferência realizada nesta segunda-feira (31). Ambos consideraram inaceitáveis os relatos de espionagem entre aliados e exigiram que os EUA e a Dinamarca sejam transparentes com as informações sobre o caso. Já Peer Steinbrück, que já foi ministro da economia da Alemanha e foi espionado enquanto disputava as eleições do país com a atual chanceler, taxou as notícias como “grotescas”.

Já os EUA agiram com placidez. Em resposta a pedidos da imprensa americana, porta-vozes do governo teriam afirmado que as informações não são novas, nem mesmo deveriam soar como surpresa a alguém, já que é comum que aliados realizem operações de espionagem entre si. O governo da Dinamarca não se pronunciou sobre o assunto, assim como representantes da própria NSA.

O presidente Barack Obama, que liderava os Estados Unidos à época das denúncias, já se desculpou com Merkel e outros líderes internacionais, afirmando que não sabia das campanhas de espionagem e que teria tomado atitudes se tivesse conhecimento delas. Agora, o assunto deve ocupar parte das discussões entre o Joe Biden, atual líder americano, e o restante do G7, o grupo dos sete países mais ricos do mundo, que se reunirá em Genebra, na Suíça, a partir de 16 de junho.

Fonte: DR, CNN, The Washington Post  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.