Com ajuda do Twitter, ex-refugiada reencontra homem que lhe ajudou aos 5 anos

Por Wagner Wakka | 16 de Agosto de 2019 às 13h41
Repordução/Twitter
Tudo sobre

Twitter

Saiba tudo sobre Twitter

Ver mais

Mevan Babakar era só uma menina de cinco anos de idade na década de 1990. Contudo, ela já carregava um peso nas costas: a de ter fugido de seu país, o Iraque, e ido para a Turquia. Naquela época, o governo de Sadam Hussein caçava os curdos da região e a família de Mevam era um alvo em potencial.

O grupo subiu do Oriente Médio para Ásia e Europa e se transformou em quase nômades pelo Azerbaijão e Rússia, chegando a se estabelecer na Holanda. Foi lá que ela conheceu um homem que se tonou um de seus heróis.

A menina não tinha nada em sua jornada, até que o senhor lhe ofereceu uma bicicleta, para alegrar o coração pesado da garota. “Meu coração de menina de cinco anos explodiu em alegria”, ela conta em postagem no Twitter.

A ideia de contar esta história na rede social teve um objetivo maior. Mevan queria saber quem era o moço que, de bom grado, lhe havia dado um bem tão precioso para a mente daquela refugiada que se mantinha pueril apesar dos pesares. Da mesma forma como surgiu, ele desapareceu da história da pequena Mevan.

“Oi internet, este é um tiro no escuro, mas eu fui uma refugiada por cinco anos na década de 1990 e esse homem, que trabalhava em um campo de refugiados perto de Zwolle na Holanda, cheio de bondade em seu coração, me trouxe uma bicicleta [...] Eu só quero saber seu nome. Me ajuda?”

A história de Maven cativou muita gente e seu tweet ganhou mais e mais destaque na rede social. Até que grandes veículos, como o New York Times, foram atrás da menina para contar essa história e buscar pelo paradeiro do homem da bicicleta.

Em 13 de agosto, um dia depois de Maven publicar seu tweet pedindo ajuda, ela encontrou seu herói. O moço é um rapaz de barba branca, de poucos sorrisos, chamado Egbert.

“Ele tem ajudado refugiados desde a década de 1990. Ele ficou tão feliz em me ver. Ele ficou orgulhoso em me ver uma mulher forte e corajosa. Ele disse que este era o desejo dele para mim quando eu era pequena. Ele cria orquídeas. Ele tem uma linda família. Ele disse que sente como se nunca tivesse me deixado”, contou a menina.

Ela continua em outra publicação. “Ele achou que aquela bicicleta era um gesto muito pequeno para criar todo esse barulho”, referindo-se às notícias. “Ele ficou realmente feliz que ela foi a chave que nos uniu novamente”.

A descrição de Maven mostra como aquilo trouxe de volta toda a sua memória infantil. Maven escreve em aliterações, repetindo a palavra “ele”, em todo começo de frase. A construção é típica da fala de uma criança, ansiosa para contar uma história que acabara de ouvir. Quem fala neste tweet não é a mulher, mas a corajosa menina de cinco anos novamente.

O nome completo do senhor não foi revelado a pedido dele mesmo. Ela ainda publicou uma nova foto, no dia 15, com seu querido herói de infância. “Uma última foto, com um sorriso raro”, brinca a menina, ao perceber que Egbert nunca apareceu sorrindo nas fotos.

O relato ajudou a trazer outros casos de crianças que também foram brindadas com seus amigos particulares de infância quando eram refugiados em outros países. Uma delas é Gordana Govic, que foi para o Canadá fugindo de seu país (ela não informa a origem). No natal do ano em que se refugiou no país norte-americano, ela disse que não tinha nenhum presente, até que um moço chamado Charlie trouxe alguns para ela.

Apesar de ser um pequeno gesto, no imaginário de Egbert, a beleza das ações mora nos detalhes e é preciso, vez ou outra, que lembremos disso. Essa história nos rememora que a tecnologia é feita por pessoas e, como tal, também tem o objetivo de uni-las.

Fonte: Twitter

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.