Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Turma da Mônica “quebra regra” e Cascão entra na água para ajudar vítimas no RS

Por| 08 de Maio de 2024 às 15h09

Link copiado!

Mauricio de Souza Produções
Mauricio de Souza Produções

Quando as Torres Gêmeas do World Trade Center caíram nos atos de terrorismo de 11 de setembro de 2001, muitas histórias em quadrinhos refletiram os esforços dos bombeiros e voluntários em buscas por vítimas, como forma de reconhecimento e de pedidos de ajuda para doações. O mesmo acontece agora com a Turma da Mônica, que “quebra as regras” do Cascão e o “permite” entrar na água para contribuir no socorro ao Rio Grande do Sul.

O próprio Cascão já havia “quebrado essa regra” em 1983 pela mesma razão, “para ajudar vítimas das enchentes na Região Sul do País”. 

“Hoje ele volta à água para ajudar novamente”, diz o post fixado pela conta da Turma da Mônica na rede social X (antigo Twitter).

Continua após a publicidade

E, claro, a imagem é seguida de como é possível ajudar.

A Brasa, editora de quadrinhos independentes que também está sediada na região, emitiu um comunicado em sua conta no Instagram. “Investimos todo o nosso dinheiro nos livros da Brasa e estamos com poucos recursos pra nos mover. Somos uma editora independente e temos colaboradores que estão na mesma situação e dependem de nós e da operação da Brasa pra sobreviver.”

“Então contamos com a sua colaboração comprando e divulgando os nossos livros. Temos títulos em pré-venda e em catálogo. Qualquer compra é bem-vinda. Acesse o site brasaeditora.com.br e apoie o quadrinho brasileiro. Quem preferir nos ajudar doando algum valor, nosso PIX é: eventos@brasaeditora.com.br”, termina o comunicado. 

Com chuvas intensas e constantes há 10 dias, o Rio Grande do Sul vive sua maior enchente da história, com 397 dos 497 municípios do Estado atingidos pelo desastre climático.

Nesta terça-feira (7), a Defesa Civil do Rio Grande do Sul atualizou para 95 o número de mortos em razão dos temporais, e ainda há outros quatro óbitos sendo investigados. Até agora, são 131 desaparecidos e 372 feridos.