Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Samsung adota regime de 6 dias de trabalho após resultados financeiros ruins

Por| Editado por Wallace Moté | 24 de Abril de 2024 às 14h04

Link copiado!

Wallace Moté/Canaltech
Wallace Moté/Canaltech
Tudo sobre Samsung

A Samsung decidiu adotar um novo regime de trabalho de seis dias por semana na Coreia do Sul. De acordo com o jornal The Korea Economic Daily, a medida foi tomada por conta dos resultados ruins demonstrados pela empresa no ano de 2023. 

Os resultados financeiros mostrados pela companhia evidenciaram uma queda de 72% no lucro líquido da empresa no agregado do ano passado, em comparação com 2022. Já a queda nas receitas ficou próxima de 14%. 

Continua após a publicidade

Os motivos apontados para os resultados ruins incluem a queda na demanda de celulares e notebooks pelo planeta, causada por fatores como altas taxas de inflação em diversos países. Dificuldades em linhas de produção de semicondutores e a desvalorização da moeda coreana (won) também ajudam a explicar a situação da Samsung. 

A jornada de seis dias será aplicada a todos os executivos e diretores da empresa, a partir deste mês. O dia extra de trabalho poderá ocorrer no sábado ou no domingo, dependendo do caso.

Um executivo da empresa apontou que o acréscimo na carga foi implementado “para injetar um senso de crise, e aumentar os esforços para superá-la”. Trabalhadores de níveis mais baixos terão a jornada de cinco dias mantida. 

O aumento da jornada de trabalho foi implementada em um momento marcado por discussões sobre o tema na Coreia do Sul. Afinal, o atual governo cogita aumentar a carga máxima semanal para 69 horas — ou seja, até mais do que a Samsung passará a adotar. 

No entanto, atualmente o regime de trabalho da Coreia é relativamente parecido com o brasileiro. Por lá é permitido trabalhar por até 52 horas semanais, sendo 40 de trabalho normal e 12 horas extras. 

Até o momento, não há previsão para que a Samsung adote a jornada de seis dias para seus empregados no Brasil. 

Fonte: The Korea Economic Daily