Novo mini-PC parrudinho da ASUS chega prometendo desbancar o Raspberry Pi

Por Sérgio Oliveira | 23.01.2017 às 11:06

Quem tem um Raspberry Pi sabe o quão flexível e versátil o mini-PC pode ser. O calcanhar de Aquiles da plaquinha, no entanto, sempre foi seu poder de fogo, que nem sempre atende às exigências dos usuários e seus projetos. Sabendo disso, a ASUS decidiu entrar no mercado de dispositivos compactos com o Tinker Board, um mini-PC parrudinho que promete deixar o Raspberry Pi no chinelo.

O Tinker Board vem equipado com SoC Rockchip RK3288 de quatro núcleos Cortex-A17 rodando a 1,8 GHz, um diferencial e tanto em relação ao SoC quad-core BCM2837 de 1,2 GHz do Pi. Outra vantagem do novo lançamento da ASUS é a Mali-T764, GPU que oferece suporte a OpenGL, OpenCL e DirectX 11 e é capaz de rodar vídeos em 4K. O Raspberry Pi, por sua vez, "só" consegue rodar videos Full HD a 30 quadros por segundo.

Mini-PC da ASUS vem equipado com SoC da Rockchip, 2 GB de memória RAM e GPU Mali capaz de rodar vídeos em Ultra HD
Mini-PC da ASUS vem equipado com SoC da Rockchip, 2 GB de memória RAM e GPU Mali capaz de rodar vídeos em Ultra HD (Reprodução: ASUS)

E se tudo isso parece pouco para você, saiba que o Tinker Board vem equipado com 2 GB de memória RAM LPDDR3 Dual-Channel - 1 GB a mais que a Raspberry Pi 3. No quesito conectividade, o novo equipamento da fabricante taiwanesa vem com Ethernet Gigabit, conector GPIO 3.0 e suporte a transmissão de áudio em 192 kHz/24 bits - todas características superiores ao concorrente britânico. Fora isso, as demais especificações são iguais do rival: Wi-Fi 802.11 b/g/n, quatro portas USB 2.0, uma porta HDMI e uma microUSB para alimentação, e entrada para cartão microSD.

São especificações de sobra e que podem dar conta dos mais pesados projetos de automação doméstica, por exemplo. Além da ficha técnica, a ASUS espera que sua marca, reconhecida mundialmente, também ajude a popularizar o dispositivo. Entretanto, há alguns problemas com o Tinker Board que podem frear sua popularização e precisam ser corrigidos:

  1. Atualmente o Tinker Board só é compatível com uma versão do Debian desenvolvida sob medida pela ASUS para o mini-PC. Para que ele alcance pelo menos o mesmo nível de popularidade do Raspberry Pi, a empresa terá de conquistar os desenvolvedores e ajudar a criar uma comunidade em torno da plaquinha - algo em que a Raspberry Pi Foundation foi extremamente bem-sucedida, como dá para ver pela infinidade de sistemas operacionais desenvolvidos para a linha Pi.
  2. Querendo ou não, o Tinker Board é caro. Nos EUA, o mini-PC está saindo por US$ 68 + frete, praticamente o dobro do Pi 3, que hoje custa US$ 35. Por mais que muita gente diga que é um preço razoável, é importante focar na filosofia desses mini-PC: fazer mais pelo mesmo preço. Por exemplo: o Pi Zero (1 GHz) hoje tem mais poder de fogo que o primeiro Pi (700 Mhz) e custa míseros US$ 5. A linha principal, por sua vez, teve várias versões, uma mais potente que a outra, mas sempre manteve o mesmo preço.

Diante disso, é muito provável que em breve a Pi Foundation lance um Raspberry Pi 4 com o mesmo poder de fogo que o Tinker Board custando os mesmos US$ 35 e com todo o apoio da comunidade e leque de opções de sempre.

Em relação à conectividade, plaquinha taiwanesa apresenta praticamente as mesmas características da concorrente Raspberry Pi 3. Diferença é Ethernet Gigabit e conector GPIO 3.0
Em relação à conectividade, plaquinha taiwanesa apresenta praticamente as mesmas características da concorrente Raspberry Pi 3. Diferença é Ethernet Gigabit e conector GPIO 3.0 (Reprodução: ASUS)

Ou seja, embora a ideia da ASUS de lançar um mini-PC mais potente que o Pi 3 seja interessantíssima, é bastante provável que ela caia no ostracismo muito em breve. Afinal, quem vai optar por comprar um produto com as mesmas especificações que custa o dobro do preço que um outro?

Via Meiobit