Publicidade

Caixa da JBL sobrevive após 25 dias embaixo da lama no RS

Por| 12 de Junho de 2024 às 11h15

Link copiado!

Dionata Noronha/Arquivo Pessoal
Dionata Noronha/Arquivo Pessoal

Uma caixa de som JBL Boombox 3 sobreviveu a 25 dias embaixo da lama em Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, após a trágica enchente que atingiu o estado em maio. Ao ser encontrada quando a água baixou, Dionata Noronha ligou o dispositivo e colocou uma música para tocar. Ele publicou um vídeo em seu Instagram e parabenizou a marca pela façanha.

"Alou, JBL. Está aprovada, 25 dias debaixo d'água e bombando", escreveu ele na publicação, que mostra a caixa ainda com lama, mas tocando uma música.

Continua após a publicidade

Ao Canaltech, Dionata explicou que a caixa de som foi o único dispositivo que ele ligou no estado em que encontrou. "Funcionaram alguns eletrônicos que foram abertos e feitos os procedimentos antes. A caixa JBL não foi aberta, liguei do jeito que a encontrei e funcionou perfeitamente", contou ele.

A ideia de fazer um vídeo não era apenas parabenizar a JBL pela façanha de ter uma caixa de som que sobreviveu 25 dias submersa em água e lama. "A intenção de postar o vídeo foi chamar a atenção da JBL e tentar alguma ajuda, já que estamos precisando", explicou Dionata.

Depois de conferir que a Boombox 3 ainda funciona, ele deu um banho com uma mangueira de pressão no dispositivo. A caixa de som continuou a funcionar perfeitamente depois disso.

O caso de Dionata, entretanto, é uma exceção. A JBL Boombox 3 possui IP67 em sua versão Wi-Fi, mas isso não é nenhuma garantia de proteção contra 25 dias de submersão. Além disso, não suporta jatos de alta pressão. Qualquer eletrônico que ficar mais de meia hora submerso deve secar completamente antes de ser ligado, e mesmo assim pode não ter sobrevivido.

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Tragédia

As chuvas no estado do Rio Grande do Sul começaram em 27 de abril e atingiram mais de 470 cidades. O nível da água dos rios Taquari, Caí, Pardo, Jacuí, Sinos e Gravataí subiu e transbordou. Até o último boletim, divulgado em 9 de junho, havia 175 mortes e 38 pessoas desaparecidas no estado.