Pandemia faz consumo de conteúdo pirata aumentar quase 70%

Por Felipe Ribeiro | 28 de Abril de 2020 às 07h30

Com as restrições sociais impostas pelas autoridades como forma de mitigar o avanço do novo coronavírus (Sars-CoV-2), seria natural que o consumo de mídias de entretenimento aumentasse nas principais plataformas de streaming. Porém, com isso também veio o aumento da pirataria — agora confirmado por um estudo feito pela Muso, empresa especializada em pirataria digital. De acordo com a companhia, o consumo ilegal de séries e filmes chegou a quase 70% em alguns países.

A Itália é o país que lidera a estatística, com aumento 66% na pirataria digital, seguido por Espanha (50,4%), Reino Unido (42,5%) e Estados Unidos (41,4%). A Alemanha, outro país muito afetado pela COVID-19, teve aumento de 35,5% no número de downloads ilegais. Os dados, que foram publicados nesta segunda-feira (27), mostram um padrão em toda a Europa e América, tanto no streaming quanto nos downloads ilegais.

Para a Muso, esses números mostram "um aumento sem precedentes" nas visitas a sites de pirataria de filmes online na última semana de março, coincidentemente o período em que os governos da Europa, Estados Unidos e Brasil, para citar alguns, iniciaram campanhas de isolamento social. "À medida que mais países impuseram o bloqueio e exigiram que os cidadãos se isolassem, a demanda por conteúdo via pirataria aumentou exponencialmente", explicou a companhia ao The Hollywood Reporter.

Mais números

Ainda segundo a análise, há uma discrepância quando comparamos as visitas de sites gerais de pirataria, como trackers torrent, e portais que fazem streaming de séries e filmes, como o Popcorn Time. Segundo o relatório, o aumento de usuários nesses endereços que fazem transmissões foi menor que o registrado nos sites de downloads. A explicação pode ser encontrada na ausência de eventos esportivos ao vivo, o que, certamente aumenta a demanda das lives ilegais. Nos Estados Unidos foram, ao todo, 601,3 milhões de acessos em pirataria de TV, contra 137,4 milhões de visitas em portais de download.

"As tendências de pirataria ou consumo não-licenciado estão intimamente ligadas aos conteúdos pagos ou licenciados. Assim como a Netflix obteve grandes ganhos de assinantes, observamos um aumento significativo nas visitas a sites de pirataria de filmes", disse Andy Chatterley, CEO da Muso. Prova disso é que a Netflix registrou crescimento de 15,7 milhões de assinaturas recentemente. Já o Disney+, por sua vez, chegou à marca de 50 milhões de usuários em apenas cinco meses no mercado.

Fonte: The Hollywood Reporter

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.