É oficial: Broadcom compra divisão de negócios da Symantec por US$ 10,7 bi

Por Rafael Arbulu | 09 de Agosto de 2019 às 17h50

Conforme adiantamos na última quinta-feira (8), a Broadcom oficializou a aquisição da divisão de soluções de segurança para empresas da Symantec, pelo valor fechado de US$ 10,7 bilhões. A compra reforça a intenção da fabricante de chipsets de ingressar ao mercado de softwares corporativos após, em 2018, ter adquirido também a CA Technologies, por US$ 18,9 bilhões.

Com o anúncio formalizado na noite desta quinta-feira, as ações da Broadcom e Symantec subiram, respectivamente, 2% e 3,6% na Bolsa de Valores.

A Broadcom disse que o negócio deve ser fechado até o final do seu primeiro trimestre fiscal de 2020, mas que a aquisição ainda depende de autorização das autoridades regulatórias dos Estados Unidos. A fabricante de chips não tem um bom histórico com o governo neste aspecto, já que tentou, no passado, comprar a Qualcomm pelo valor declarado de US$ 117 bilhões, mas teve a negociação cortada pela administração presidencial de Donald Trump, que citou “preocupações de segurança nacional”.

A aquisição da divisão de negócios da Symantec foi confirmada pela Broadcom na noite de 8 de agosto

“[A prática de] fusões e aquisições executou um papel central na estratégia de crescimento da Broadcom e essa transação representa o próximo passo mais lógico para esta finalidade”, disse o CEO da Broadcom, Hock Tan. É importante ressaltar que, por meio de compras e absorções de outras empresas, o valor de capital da Broadcom passou de alguns bilhões para US$ 108 bilhões, desde que Tan assumiu o posto, há 13 anos.

A Symantec anunciou que, com a negociação, deverá cortar 7% do seu quadro global de funcionários: até o final de março de 2019, a empresa de segurança empregava 11,9 mil pessoas. A companhia obteve receita acima do esperado para soluções de segurança corporativa (US$ 611 milhões, versus US$ 564,3 milhões na expectativa de analistas), mas a concorrência com empresas menores, mas que trazem soluções mais específicas e baratas, acabou fazendo com que a criadora do famoso Norton Antivirus não conseguisse manter sua capacidade competitiva.

Nenhuma das empresas mencionou esta parte, mas ambas dão a entender que a Symantec, enquanto divisão, deixará de existir. A marca agora permanece apenas na oferta de soluções para consumidores, como a suíte de segurança Norton.

Fonte: Venture Beat

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.