Broadcom perto de adquirir divisão de negócios corporativos da Symantec, diz WSJ

Por Rafael Arbulu | 08 de Agosto de 2019 às 16h20
Broadcom

Primeiro, eram conversas avançadas. Depois, não havia mais conversas. Em seguida, foi mostrado um “interesse continuado”. Agora, parece ser oficial, ou o quão perto disso podemos chegar: a Broadcom está em vias de comprar a divisão de negócios da Symantec por valores próximos a US$ 10 bilhões, segundo reportagem do The Wall Street Journal.

As conversas entre as duas empresas começaram no início de julho de 2019, mas morreram sem acordo ao final do mesmo mês. Agora, neste início de agosto, a reportagem do periódico americano indica que o anúncio oficial deve ser feito ainda hoje (8). Essa data, coincidentemente, é a mesma do fechamento do primeiro trimestre do do fiscal de 2020 da Symantec. As ações da empresa de segurança apresentaram um salto de 13% na manhã de hoje.

A Broadcom, fabricante de chipsets, estaria em vias de adquirir divisão de softwares empresariais da Symantec, segundo jornal

O jornal não esclarece se o negócio implica na aquisição de ofertas para empresa de larga escala ou se também considera soluções voltadas a PMEs (pequenas e médias empresas). Atualmente, a Symantec trabalha em três pilares de soluções e consultoria de segurança: grandes empresas, PMEs e consumidor — este último, por meio da linha de antivírus Norton, uma das mais populares do mercado.

A Symantec, segundo analistas, é avaliada em US$ 12 bilhões, totalizando os três pilares de atuação. A empresa de segurança também apresenta dívidas de US$ 2 bilhões. A suposta aquisição exclui a divisão para consumidores, mas contempla a “herança” da dívida, ou pelo menos parte dela. Entretanto, não há informações de que a Broadcom vai internalizar os produtos e marca ou permitirá que as operações continuem funcionando de forma independente.

A Symantec atua na oferta de soluções de segurança para empresas pequenas, médias e grandes, bem como antivírus para consumidores, como a linha Norton

Não seria a primeira vez que a Broadcom tentaria investir em uma eventual entrada no mercado de softwares de segurança: em 2018, a fabricante de chipsets adquiriu a CA Technologies por US$ 18,9 bilhões. Analistas conversaram com o site CRN na última semana, indicando não enxergarem muitas vantagens na possibilidade de comprar parte da Symantec, e um provedor terceirizado de soluções disse que as companhias são muito diferentes para que as ofertas sejam unificadas sob o mesmo teto:

"Eu não tinha ideia de que uma fabricante de chips faria alguma tentativa de aquisição de uma empresa de segurança de internet”, disse um parceiro de canais da Symantec, que não foi identificado. "Eu não vejo muito sentido e vantagens para isso. Nós não estamos no negócio de distribuição de chips”.

Até o momento, nem Symantec, nem Broadcom manifestaram qualquer comentário.

Fonte: Wall Street Journal; CRN

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.