Devido à greve global de motoristas, preços da Uber sobem em SP e RJ

Por Rafael Arbulu | 08 de Maio de 2019 às 13h45
Divulgação
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

[Atualizado às 15h32] A Uber, por meio de sua assessoria de imprensa, entrou em contato com o Canaltech para posicionar-se quanto à notícia da greve. A empresa ressaltou não ter identificado nenhum pico de preço diferenciado na manhã de hoje, contrariando a matéria veiculada no jornal Folha de São Paulo. O texto foi atualizado e o posicionamento da empresa segue ao final do texto.

Os protestos globais de motoristas da Uber programados para hoje, 8, estão surtindo um efeito bem pesado no bolso dos usuários: em capitais como São Paulo e Rio de Janeiro, os preços das corridas pelo aplicativo estão consideravelmente maiores, em alguns casos chegando a 50% acima do valor de base.

O efeito decorre da paralisação generalizada de motoristas. Conforme o Canaltech adiantou no final de abril, protestos da classe refletem a insatisfação com as políticas da empresa, buscando melhores condições de trabalho e um relacionamento mais direto e com mais voz nas decisões que a Uber toma em seu dia a dia.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Ontem, 7, foi anunciado que trabalhadores no Brasil também iriam aderir ao movimento.

Protestos nos EUA e Brasil marcam o dia em que a Uber espera fazer sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York

A escolha da data de hoje não foi feita à toa: esta semana é o período esperado para que a Uber faça a sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York, após avaliações de eventual oferta pública inicial (IPO) conduzidas na última semana.

Entretanto, nem todos os motoristas brasileiros aderiram ao movimento, que ficou conhecido como "#UberOFF", e estão aproveitando para continuar correndo em preços mais caros (o chamado preço dinâmico praticado pela Uber quando a demanda é alta demais em certas regiões). Segundo a Folha de São Paulo, grevistas estão discutindo em grupos de motoristas no WhatsApp para descobrir quem não aderiu à greve. Prints de telas com corridas aceitas estão sendo compartilhados.

Outra medida tomada pelos grevistas é a de realizar chamadas no app, se passando por passageiros. Uma vez que a corrida é aceita, o solicitante usa o sistema de mensagens interno do app da Uber para convencer o motorista a desligar-se do serviço por hoje. Finalmente, há aqueles que estão chamando por um motorista e cancelando a corrida pouco antes de ele chegar, lhe causando prejuízo.

A classe, porém, condena essas ações, dizendo que aqueles que não ingressam aos protestos têm o direito de fazê-lo.

Preços subiram em até 50% pela manha de hoje, em São Paulo e Rio de Janeiro

Ainda citando a Folha, a manhã de hoje viu a reunião de aproximadamente 130 motoristas e 30 carros no Vale do Anhangabaú, centro de São Paulo. Segundo Paulo Reis, tido como o líder dos protestos pela cidade, a expectativa é a de que 1.500 motoristas ingressem à greve. Outros cem motoristas reuniram-se à frente dos escritórios da empresa na Barra Funda, zona oeste de São Paulo.

“Em Niterói (RJ), por outro lado, a disponibilidade de veículos e os preços estavam normais. Um motorista disse à reportagem que nem sabia da paralisação”, também relata o jornal. Na cidade fluminense, há quem tenha dito que a categoria é desunida e que não compensaria se juntar à greve se outros continuariam trabalhando. Um motorista disse à reportagem que não se uniria ao movimento pois sabia das condições de trabalho antes de se tornar motorista.

Relatos apontam que os preços já seguem em caráter normal, então a situação não deve perdurar por muito mais tempo.

Falando com a equipe do Canaltech, a Uber, por meio de sua assessoria de imprensa, contrariou as informações da Folha de São Paulo: "Não identificamos impacto significativo nos serviços (tempo de espera, valor do preço dinâmico, número de motoristas parceiros online) na data de hoje em comparação com as médias mensais". A empresa ressaltou que faz o monitoramento contínuo da demanda por motoristas e as flutuações de preços, ressaltando que a data de hoje não apresentou diferenças em relação a outros dias.

Fonte: Folha de São Paulo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.