Bitcoins para iniciantes: um guia para entender a febre do momento

Por Ares Saturno | 14 de Dezembro de 2017 às 10h06
photo_camera público

As criptomoedas não param de crescer e estão chamando a atenção de todos ao registrar valorizações que geram muito lucro aos seus investidores. Se você é iniciante nesse mundo e deseja conhecê-lo melhor, neste guia o Canaltech fornece informações básicas sobre o que é o Bitcoin, como funcionam as transações criptografadas e como começar a investir na moeda digital mais famosa do mundo. 

O que é o Bitcoin?

É uma tecnologia que busca desenvolver uma moeda inteiramente digital. Como plataforma, é basicamente uma rede de computadores conectados através da internet que permite realizar transações seguras de informações entre quaisquer pontos sem que intermediários, como empresas ou bancos, sejam necessários. Esse também é o conceito de conexão peer-to-peer, ou P2P, que une um ponto a outro sem passar por um servidor central.

O que é o Blockchain?

É uma espécie de livro contábil que registra todas as transações ocorridas na rede bitcoin. Nele são registrados todos os movimentos de bitcoins já gerados, desde o surgimento da moeda, sempre registrando de onde saíram os valores e para onde eles foram. É um registro público e que está em constante desenvolvimento, em ordem cronológica, sendo adicionadas a ele todas as transações que são confirmadas. Qualquer pessoa pode ter acesso, basta entrar no site. Apesar de registrar os detalhes de todas as transações feitas no mundo, o blockchain registra apenas a chave pública das carteiras emissoras e recebedoras, não dispondo de nenhum dado que identifique as pessoas ou empresas envolvidas na operação.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Características do Bitcoin como plataforma

  1. Sistema distribuído: Não existe centralização do controle da moeda, mas sim uma comunidade formada pelos próprios usuários da criptomoeda que a regula fornecendo o suporte e o desenvolvimento necessários ao seu pleno funcionamento. Ao longo da história, nós sempre recorremos a controles centralizados das nossas posses, como bancos e governos. A ideia de romper com um controle centralizado vem da necessidade de evitar algumas das desvantagens que esse modelo cria, como a insegurança que bancos podem apresentar, as taxas cobradas pelo armazenamento ou transmissão de quantias, ou a exclusão de alguns indivíduos que desejam investir e não recebem acesso ao crédito por não satisfazerem as exigências dos bancos. 
  2. Velocidade: Quando você recebe um pagamento na sua conta corrente em um banco de um dinheiro que tem origem em outra conta corrente de outro banco, os valores chegam a demorar até 72 horas para ficarem disponíveis na sua conta. Com as transações em bitcoins, a transferência de valores é tão imediata quanto a internet permite ser.
  3. Custo mínimo: Enquanto as taxas para fazer um DOC ou TED entre diferentes contas chega a ultrapassar os R$ 15, as transações em bitcoins geram taxas muito pequenas, comparativamente.
  4. Disponibilidade: É possível fazer transações 24 horas por dia, sete dias por semana, em qualquer lugar do mundo, desde que esteja conectado à internet, sem necessidade de ir a uma agência.
  5. Transações irreversíveis: Não é possível fazer estornos dos valores uma vez que eles forem transmitidos.
  6. Facilidade em transações internacionais: Para pessoas que fazem transferências de valores para fora do país com frequência, como no caso de quem tem família em outras nações, o uso do bitcoin permite evitar as taxas abusivas que serviços de envio internacional de valores cobram, como o Western Union.

Características das bitcoins como moeda

Comparativo da necessidade de registro e identificação nas transações
  1. Possibilidade de anonimato: Nas transações em dinheiro, não há registro dos pagamentos e não há necessidade de identificação. Com os pagamentos por cartão de crédito, há registros e há a necessidade de se identificar quais são as partes envolvidas na troca de valores. Já com os bitcoins, o blockchain registra todas as trocas, mas, devido à criptografia, pode-se escolher se haverá a identificação das partes envolvidas, podendo-se utilizar máscaras para proteger a sua identidade, caso você deseje.
  2. Escassez programada: Há um limite máximo preestabelecido de unidades de bitcoin que podem coexistir ao mesmo tempo: 21 milhões de unidades. Saiba mais sobre como esse limite foi estabelecido neste artigo.
  3. Fundibilidade e Divisibilidade: As unidades de bitcoins podem ser divididas em frações menores, de até 0,00000001 bitcoin.
  4. Impossibilidade de retenção por parte dos governos: Em países com economia instável, podem ocorrer retenções de valores particulares por parte dos governos. Foi o que ocorreu no Brasil em 1990, durante o governo de Fernando Collor de Melo, quando milhares de brasileiros perderam suas posses sem que nada pudessem fazer contra a medida. Confisco semelhante ocorreu durante a crise Argentina, em dezembro de 2002, e ficou conhecido como corralito.
  5. Mercado livre: Como não há nenhum órgão responsável pelo controle da criptomoeda, seu valor cambial, ou seja, o quanto vale o bitcoin em comparação a outras moedas para pagamentos de produtos e serviços, é ditado pela demanda de investidores. Dessa forma, o valor de cada unidade de bitcoin é determinado pela lei de procura e oferta.
  6. Dificuldade de falsificação: Ao contrário das moedas orgânicas, ou seja, o dinheiro físico que estamos acostumados a manipular, as moedas digitais são praticamente impossíveis de se falsificar, uma vez que contam com o que há de mais avançado em tecnologias de criptografia utilizadas, inclusive, por inteligências militares, atestadas por diversos testes abertos de segurança.
  7. O problema do gasto duplo: Para que não seja possível duplicar os dados e criar mais bitcoins do nada, a rede é configurada para interpretar, na verdade, a posse dos valores, não os dados em si. Uma vez que os valores são transmitidos a outra pessoa, é impossível ao emitente acessar novamente aqueles dados, pois ele não os possui mais. 

Como começar a usar bitcoins?

O primeiro passo é criar uma carteira de bitcoins: Ao criar uma carteira, você receberá duas chaves. A primeira delas é uma chave pública que servirá como o endereço da sua carteira e deve ser passada a qualquer pessoa que deseje te fazer algum pagamento em bitcoins. A segunda chave é uma chave privada que deve ser mantida em segredo, pois é o acesso para gastar os bitcoins que estiverem associados àquela carteira.

Há diversos serviços de carteiras digitais disponíveis e o usuário pode escolher o serviço que melhor atender às suas necessidades. A fim de exemplificar, utilizaremos a carteira que é disponibilizada pelo próprio site Blockchain. Basta entrar no site, acessar o menu e selecionar a opção "Nova Carteira" ou "Get Free Wallet". Será necessário fornecer um endereço de e-mail válido e criar uma senha. Recomenda-se que sua senha seja uma sequência de 13 a 22 caracteres, com letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos especiais. É importante também ressaltar que, no uso de carteiras virtuais, não há mecanismos de recuperação de senhas. Isso mesmo, se esquecer a senha inserida na abertura da carteira seus bitcoins se perderão para todo o sempre.

Depois disso, sua carteira já está disponível para uso, seja para o recebimento ou envio de valores. Você receberá uma mensagem no e-mail cadastrado contendo a ID da sua carteira digital, que servirá como sua identificação para receber valores em bitcoins.

Doações de bitcoins são bem-vindas nessa carteira

Há também as opções de parear sua carteira digital com seu dispositivo móvel, bastando baixar o aplicativo Blockchain Wallet para iOS ou Android.

Não se esqueça de configurar a verificação em dois passos, que está disponível no menu "Configurações", na aba "Segurança". Com ele, suas transações só serão efetivadas após a inserção da sua senha e a permissão feita através de um token enviado pelo aplicativo para o seu smatphone.

Como obter bitcoins?

  1. Comprando ao vivo de usuários que já têm bitcoins: É chamada de transação cara a cara porque você vai precisar se encontrar com uma pessoa que tenha bitcoins e, munidos de seus gadgets, realizar a troca. A pessoa envia a quantidade de bitcoins negociada para sua carteira digital e você entrega a ela o dinheiro referente à negociação. Há diversas plataformas virtuais dedicadas a indicar portadores de bitcoins que tenham interesse em comprar e vender criptomoedas dessa forma, sendo a mais famosa atualmente a Local Bitcoins, que é bastante utilizada por negociantes brasileiros.
  2. Receber bitcoins como pagamento de serviços prestados: Como as últimas altas da criptomoeda fizeram com que seu valor fosse catapultado para as alturas, talvez seja mais fácil procurar projetos freelance ou similares em troca das quantias. Duas plataformas oferecem trabalhos pontuais de maior ou menor duração, que podem ser executados por qualquer pessoa que tenha conhecimento de como realizar o serviço, com pagamento feito através da criptomoeda: Coinality e BitGigs. O site nacional BitVagas oferece projetos freelances em troca das moedas digitais, mas ainda tem poucas ofertas. Se você possui uma empresa e deseja pagar seus prestadores de serviço com bitcoins ou outras criptomoedas, você pode criar anúncios de trabalhos temporários ou efetivos e disponibilizá-los na plataforma da BitVagas.
  3. Comprar bitcoins diretamente em exchanges: Exchanges são casas de câmbio especializadas em criptomoedas. As mais famosas no mundo são a Bitfinex e a Bitstamp, mas no Brasil usam-se as exchanges nacionais para facilitar a comunicação entre investidores, como a Foxbit, a MercadoBitcoin e a CoinBR, permitindo ao usuário fazer as transações diretamente para o Real ou qualquer outra moeda orgânica que o cliente desejar.
  4. Receber seu salário em bitcoins: Algumas empresas já oferecem o pagamento do salário dos seus funcionários, totalmente ou em parte, em bitcoins. As empresas Wagepoint e Bitpay oferecem serviços para auxiliar os empresários que tenham interesse em pagar seus prestadores de serviço com a criptomoeda.

Como é possível gastar os bitcoins?

A moeda tem sido cada vez mais aceita para pagamento por produtos e serviços. O site CoinMap é um aliado na hora de apontar quais são os estabelecimentos que aceitam pagamentos em bitcoins. Ao contrário do que se pensa, no Brasil há uma boa variedade de produtos e serviços que já podem ser comprados com a criptomoeda e até mesmo encontrar empresas que pagam seus funcionários exclusivamente com bitcoins.

Como é uma transação bitcoin?

Com uma carteira digital criada, basta encontrar a chave pública e fornecê-la à pessoa que for enviar os valores em bitcoins. O emissor entrará com a chave pública do destinatário e dirá ao aplicativo qual é o valor de bitcoins a ser transferido. Basta o emissor confirmar o envio e pronto, a transação está feita. O valor fica disponível ao destinatário quase instantaneamente e a transação será registrada no blockchain.

Mineração de bitcoins

Para que o sistema de criptomoedas funcione, é necessário manter uma rede de computadores interligado pela internet para processar e validar as transações na rede descentralizada de bitcoins. O nome que se deu a essa ação de fornecer seu maquinário para acrescentar poder de processamento à rede de bitcoins é mineração.

Você provavelmente já ouviu falar que a mineração de bitcoins e outras moedas digitais exige maquinário potente e gera aquecimento enquanto gasta muita energia. E é exatamente por esses motivos que não é aconselhado que ninguém minere criptomoedas sozinho. Existem grandes fazendas de moedas digitais, e o sistema foi desenvolvido pensando na mineração coletiva.

Mas, afinal, qual é a vantagem em minerar bitcoins? Anteriormente falamos que o limite máximo de unidades de bitcoins é de 21 milhões, certo? Pois esse limite ainda está longe de ser alcançado. Atualmente, existem pouco menos de 17 milhões de unidades de bitcoin no mundo. A cada 10 minutos, um pacote de 12,5 unidades de novos bitcoins é liberado. Esse pacote é dado à equipe de mineradores que mais rapidamente conseguir processar criptografias das transações da moeda digital, agregando poder de processamento à rede de bitcoins. Para entender melhor a dinâmica dos pacotes de novas unidades de bitcoin e como eles são dados aos mineradores, sugerimos a leitura deste artigo. Você também pode acompanhar o gráfico da Blockchain para verificar quantas unidades de bitcoins existem no mundo atualmente.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.