Arregou? Elon Musk já cogita renegociar compra do Twitter

Arregou? Elon Musk já cogita renegociar compra do Twitter

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 17 de Maio de 2022 às 15h25
Reprodução/NBC News

Elon Musk sugeriu que sua oferta de US$ 44 bilhões (R$ 225 bilhões) para comprar o Twitter pode ser alterada se a empresa não provar que menos de 5% das contas da plataforma são falsas. Em um novo tuíte nesta terça-feira (17), o bilionário manteve sua posição de que o acordo está suspenso até a questão ser resolvida.

Na segunda (16), a Bloomberg noticiou que Musk disse em uma conferência de tecnologia em Miami que uma renegociação da compra da plataforma por um preço mais baixo "não estava fora de questão". Na sua visão, a oferta feita por ele em abril "foi baseada na precisão dos registros do Twitter na SEC [Comissão de Valores Mobiliários dos EUA]. Ontem, o CEO do Twitter se recusou publicamente a mostrar prova de < 5%", argumentou.

Enquanto isso, o Twitter apresentou na SEC uma declaração de procuração nesta terça-feira solicitando que os acionistas aprovassem o acordo de Musk, no valor de US$ 54,20 (R$ 278) por ação. A empresa também disse em um comunicado de imprensa que estava "comprometida em concluir a transação sobre o preço e os termos acordados".

Para especialistas, Elon Musk estaria forçando desistência da compra do Twitter ou pretende negociar um preço menor (Imagem: Reprodução/Daddy Mohlala/Unsplash)

Especialistas acreditam que os movimentos de Musk teriam o objetivo calculado de forçar sua desistência do negócio ou mesmo comprar o Twitter por um preço menor. Justamente por causa da hesitação do dono da Tesla e SpaceX, as ações da rede social mantiveram-se em queda livre nas últimas semanas. Atualmente a ação do Twitter na Bolsa de Nova York está precificada em US$ 38,47 (R$ 197), uma perda de 30%.

As ações da Tesla, uma das principais fontes da enorme fortuna de Musk, também caíram mais de 30% desde que Musk divulgou sua participação minoritária no Twitter em abril. Dan Ives, diretor administrativo da empresa de investimentos Wedbush Securities, disse ao Washington Post que o acordo aumentou a pressão sobre a Tesla, tornando-se um dos fatores para que Musk "ficasse com medo" de ir adiante com a aquisição da rede social.

Musk afirma que uma alta porcentagem de bots reduz o potencial de lucro do Twitter, já que não significaria que a publicidade da empresa estaria tendo um alcance aquém do esperado — o ricaço tem afirmado que há outras estimativas que falam em até 20% de bots presentes na plataforma, número quatro vezes maior do que o prometido. Ao Post, Ives afirma que a dúvida sobre os bots do Twitter não é nova, mas é provavelmente "mais um bode expiatório [de Musk] para pressionar por um preço mais baixo".

Fonte: Washington Post, SEC, Bloomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.