Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Google vai considerar velocidade dos sites para ordenar resultados nas buscas

Por| 29 de Maio de 2020 às 12h30

Link copiado!

Reprodução/Tecmundo
Reprodução/Tecmundo

O Google anunciou nesta semana um novo fator que seus motores de buscas vão considerar ao classificar as páginas nos resultados de pesquisa. Em futura atualização, serão implementadas algumas métricas para capturar a experiência geral do site, como sua rapidez e estabilidade, mudança que promete ajudar a melhorar as pesquisa na web.

Segundo a empresa, os robozinhos do Google usarão o Core Web Vitals, conjunto de métricas que medem itens como compatibilidade com dispositivos móveis, navegação segura, segurança HTTPS, capacidade de resposta, interatividade e estabilidade visual das páginas — eles estão disponíveis atualmente em algumas ferramentas de desenvolvimento do Google, como Seach Console e PageSpeed.

Continua após a publicidade

Informação em primeiro lugar

Apesar disso, a navegação ainda não será o principal fator dos motores de busca, que ainda darão prioridade para as melhores informações.

"Embora todos os componentes da experiência na página sejam importantes, priorizaremos as páginas com as melhores informações gerais, mesmo que alguns aspectos da experiência na página sejam inferiores", disse o Google em comunicado.

Além dos resultados de pesquisa, as novas métricas de velocidade da página vão ajudar os robozinhos do Google a considerar as notícias que aparecem na lista das principais histórias na Web para dispositivos móveis. A novidade é que o Google não vai mais exigir que os sites sejam AMP (otimizados para exibição em celulares).

"Uma boa experiência na página não substitui o conteúdo excelente e relevante. No entanto, nos casos em que existem várias páginas com conteúdo semelhante, a experiência da página se torna muito mais importante para a visibilidade na Pesquisa", comentou a empresa.

Não há previsão de quando as novas métricas serão implementadas. No entanto, isso não deve acontecer pelo menos até o próximo ano, segundo a dona do Android.

Fonte: Engadget; 9to5Google