MWC bane viajantes da província chinesa de Hubei por temor do coronavírus

MWC bane viajantes da província chinesa de Hubei por temor do coronavírus

Por Rubens Eishima | 10 de Fevereiro de 2020 às 14h00
MWC

O maior evento mundial de telefonia celular, a Mobile World Congress (MWC), acontece entre os dias 24 e 27 de fevereiro em Barcelona. E a aglomeração de pessoas de todo o mundo, incluindo da Ásia, provocou medidas excepcionais por parte da organização e participantes, após a disseminação do coronavírus (2019-nCov). A mais recente foi o banimento de visitantes vindos da província de Hubei.

Na província está localizada a cidade de Wuhan, identificada como o provável epicentro da nova epidemia. A GSMA – associação que organiza a Mobile World Congress – estima que entre 5 e 6% do total de visitantes do congresso sejam chineses.

A preocupação com o vírus levou empresas como LG, Nvidia, Ericsson, Amazon e Sony a cancelarem suas participações no evento. Além disso, as chinesas Huawei e OPPO anunciaram que colocarão seus executivos em quarentena antes do evento.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Os organizadores do evento anunciaram ainda que vão exigir que viajantes que estiveram na China demonstrem, com o passaporte ou certificado sanitário, que estiveram fora do país por mais de 14 dias antes do evento; além disso, serão feitas verificações de temperatura e os participantes terão que garantir que não estiveram em contato com algum infectado.

Entre os cuidados que já haviam sido anunciados, estão uma maior quantidade de médicos e procedimentos de limpeza e desinfecção, treinamentos para os funcionários em higiene pessoal e uso dos produtos de sanitários, além de campanhas de conscientização dentro e fora dos pavilhões do congresso.

Segundo dados de ontem da Organização Mundial de Saúde, o novo coronavírus já infectou mais de 37.000 pessoas em 25 países e matou 813 pessoas, uma delas fora da China. Nenhum dos casos suspeitos no Brasil foi oficialmente confirmado até a data da publicação.

Fonte: Cnet

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.