TV a cabo perdeu 156 mil assinantes no Brasil só em abril

TV a cabo perdeu 156 mil assinantes no Brasil só em abril

Por Redação | Editado por Jones Oliveira | 10 de Junho de 2021 às 18h15
Jeshoots/Pexels

O setor de TV por assinatura segue em ampla queda no Brasil. De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), foram cerca de 156,9 mil pessoas que deixaram de assinar o serviço no país somente no mês de abril.

Os números dizem respeito tanto a quem pediu o cancelamento da assinatura quanto a quem teve o serviço interrompido por falta de pagamento. Os dados são do site Splash e revelam a queda constante que a TV a cabo vem enfrentando no país ao longo dos últimos anos, com quase 6 milhões de cancelamentos registrados desde o fim de 2014. Atualmente, são 14,1 milhões de assinantes, segundo a Anatel.

E a operadora que mais sentiu esse impacto no levantamento mais recente foi a Sky, considerada a segunda maior empresa do setor. Ela viu sua base de assinantes enxugar em 89,4 mil assinantes em apenas um mês. Logo em seguida aparece a Claro, com 79 mil assinaturas a menos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Ranking de perda de assinaturas em abril de 2021

  1. Sky: perda de 89 mil clientes
    Base atual: 4,1 milhões de assinantes
  2. Claro: perda de 79 mil clientes
    Base atual: 6,68 milhões de assinantes
  3. Vivo: perda de 12 mil clientes
    Base atual: 1,21 milhão de assinantes

A única empresa entre as grandes que terminou abril com saldo positivo foi a Oi, que viu um crescimento de 13,1 mil em sua carteira de clientes no período. Atualmente, ela é a terceira maior companhia no ramo da TV por assinatura no Brasil, com 1,73 milhão de pessoas pagando pelos seus serviços.

Entre as razões apontadas para essa perda de assinantes está o crescimento e a popularização de serviços de streaming, como Netflix e Disney+, além de situações econômicas, como desemprego e problemas financeiros decorrentes da pandemia. Contudo, vale destacar que esse fenômeno não é algo exclusivamente brasileiro e que mercados bem mais robustos, como o estadunidense, também veem uma diminuição no número de pessoas dispostas a pagar por um serviço de TV.

Fonte: Splash

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.