Em crise, HTC vende fábrica para companhia chinesa

Por Redação | 19.08.2015 às 11:38
photo_camera Divulgação

Para fabricantes de smartphones pequenas ou mais locais, a parceria com um grande nome da indústria é um grande passo para chegar mais rapidamente ao sucesso. Mas, para uma marca não-identificada, o caminho está sendo muito mais veloz. Nesta quarta-feira (19), a HTC revelou que está vendendo uma de suas principais unidades de produção de celulares para uma empresa chinesa não-identificada.

A unidade fica em Xangai e foi inaugurada em 2009, envolvendo um investimento de US$ 32 milhões em sua construção. Por muito tempo, a planta foi uma das principais da HTC, chegando, em 2010, a operar com o dobro de sua capacidade normal em um momento no qual a fabricante se encontrava de vento em popa, com vendas de smartphones explodindo e faturamento superando todas as expectativas.

Esse tempo, porém, ficou para trás, e agora a HTC passa por uma fase de reestruturação. Com a baixa nas vendas de smartphones e dificuldade para se adaptar aos novos tempos, a empresa passa por um período de adequação, já tendo demitido cerca de 15% de seus funcionários em todo o mundo. A venda da fábrica de Xangai seria mais um passo nessa estratégia, já que a gigantesca unidade, agora, não tem sua existência justificada.

Os valores da negociação não foram revelados, assim como a identidade da empresa responsável pela aquisição. Caso estejamos realmente falando de uma fabricante chinesa menor, teríamos justamente um dos movimentos responsáveis pela derrocada da HTC, agora, auxiliando ironicamente em uma possível reorganização.

Para analistas, um dos principais motivos da queda nos lucros da fabricante seria, justamente, a chegada de produtores menores de smartphones aos mercados asiáticos, com aparelhos de qualidade e custo baixo. Enquanto a HTC acumula elogios e boas vendas com seus celulares topo de linha, as classes inferiores de produtos sofrem justamente com essa concorrência e não têm ganhado tração como deveriam. A chegada da Apple ao mercado chinês e um alinhamento melhor da Samsung também contam para aumentar as dificuldades por lá.

A negociação aconteceu por um valor não divulgado, mas deve trazer um dinheiro bastante necessário para que a HTC possa continuar seus esforços de reestruturação. Enquanto isso, a empresa continua com sua oferta de produtos, tendo o O2 como seu próximo grande lançamento de topo de linha, chegando com processador Snapdragon 820 e tela de alta definição.

Fontes: GSM Dome, Phone Arena