"Conectividade" foi tema de destaque em um evento que reuniu Obama e Zuckerberg

Por Redação | 27.06.2016 às 23:45
photo_camera https://cryptoid.com.br/certificacao-digital/conectividade-s

"Conectividade" foi destaque em um evento no Vale do Silício que contou com a participação do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e com o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. A conectividade foi associada à possibilidade de fortalecimento do meio empreendedor de um país. No evento, falou-se ainda sobre marcos regulatórios para fortalecer novas empresas de tecnologia e expansão de infraestrutura de banda larga.

Para o fundador da rede social, a falta ou a limitação do acesso à Internet gera um verdadeiro “bloqueio” a uma imensa quantidade de pessoas ao redor do mundo: “Quem nunca usou um computador ou acessou a rede, não consegue imaginar as oportunidades que está perdendo”, disse Zuckerberg.

Ainda na linha de conectividade como geradora de oportunidades, a Internet foi ponto importante durante a administração de Obama. A intenção, com esse foco, era impulsionar uma nova onda de iniciativas desenhadas para suportar negócios baseados em internet: “É difícil encorajar uma cultura empreendedora se o ambiente é fechado e o fluxo de informações está bloqueado”, comentou Obama. “O que vemos ao redor do mundo, frequentemente, são governos esperando os benefícios do empreendedorismo e conectividade adotando uma postura de controle que é incompatível com esse desejo.” Obama disse também que há uma “grande oportunidade” para que países aproveitem a infraestrutura para ir além, não apenas impulsionando serviços financeiros, mas desenvolvendo aplicativos móveis capazes de facilitar a vida de seus cidadãos.

Durante debate com o presidente dos EUA, Zuckerberg observou que a ampliação do acesso, da conectividade, pode acontecer em diversos locais, não sendo apenas uma característica norte-americana: "Acho que precisamos fazer um trabalho melhor para fortalecer recursos de conectividade e impulsionar empreendedores em diferentes países”.

Fonte: Computerworld