Brasil ganha nova fabricante de aviões e já lança primeiro modelo

Brasil ganha nova fabricante de aviões e já lança primeiro modelo

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 07 de Junho de 2021 às 12h22
Desaer

O Brasil é uma das referências quando pensamos em aviação. De Santos Dumont à Embraer, o país sempre esteve na vanguarda deste importante mercado, que movimenta bilhões anualmente pelo mundo. E, mesmo em meio à crise no setor por causa da pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2), há espaço para a chegada de novas empresas, como a Desaer, criada pelo engenheiro Evandro Fernandes Fileno, ex-Embraer.

A Desaer é uma joint-venture feita em conjunto com a Ceiia (Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto), uma empresa portuguesa especializada em aviação e tecnologia. As operações serão divididas em 70% aqui no Brasil e 30% em Portugal, com fábricas nas duas praças capazes de produzir até quatro aeronaves por mês. O avião, no caso, é o ATL-100, desenvolvido pelo próprio Fileno tão logo ele saiu da Embraer, em 2016.

A fábrica do Brasil será posicionada na cidade de Araxá, em Minas Gerais, que vai atender todo o mercado das Américas. Os escritórios, porém, ficarão sediados em São José dos Campos/SP, mais precisamente na Incubaero, uma incubadora de empresas e projetos criada pela Fundação Casimiro Montenegro Filho. A decisão foi tomada em conjunto por Fileno e seus seis sócios, que comandarão mais de 40 colaboradores.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

De acordo com o UOL, já existem 12 intenções de compra assinadas do ATL-100, sendo sete no Uruguai e cinco no Brasil. A Desaer também tem outros projetos em desenvolvimento, como outras versões de aeronaves para transporte de passageiros e uma com apelo mais esportivo.

Como é o ATL-100?

O ATL-100 é um projeto de aeronave turboélice capaz de levar até 19 passageiros, 12 paraquedistas ou três conteineres LD3, os mesmos utilizados pela maioria das empresas de carga. Sua autonomia será de apenas 1.600 quilômetros, com voos a uma velocidade de 380km/h. Por operar em baixas altitudes, não é necessária a pressurização da cabine, tampouco o uso de tripulação, o que pode ser bem útil para deslocamentos bem curtos.

Configurações do ATL-100/ Imagem: Desaer

A Desaer ainda não deu detalhes dos seus modelos de negócios e quem são os compradores. Mas, tendo em vista o perfil da aeronave e a falta de concorrentes diretos mais modernos, a tendência é que sua operação se dê majoritariamente por táxi-aéreo. Hoje, o modelo mais próximo do ATL-100 é o Cessna SkyCourier e, entre os antigos, a semelhança com o EMB-110 Bandeirante, da Embraer, é notória.

A empresa afirma ser possível transformar a aeronave de diversas maneiras. Se for para trabalhar apenas com carga, seu formato mais quadrado e uma porta traseira facilitam a subida de cargas mais pesadas. O avião também pode ser configurado para trabalhos militares, como de reconhecimento e auxílio a tropas. A capacidade do ATL-100 é de até 2,5 toneladas.

Fonte: UOL

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.