Apple confirma oficialmente que tatuagens interferem no sensor cardíaco do Watch

Por Redação | 01 de Maio de 2015 às 15h43

Os primeiros Apple Watches finalmente chegaram às mãos dos primeiros usuários esta semana, e vários usuários recorreram a espaços como Reddit e YouTube para reclamar de um problema que provavelmente ninguém havia pensado antes.

Segundo os relatos (às vezes até furiosos), o fato do usuário ter tatuagem no local onde o relógio fica no braço faz com que os sensores de monitoramento dos batimentos cardíacos não funcionem muito bem.

No último dia 29 de abril, a Apple modificou sua página que explica sobre o sensor de ritmo cardíaco, informando que, de fato, tatuagens podem atrapalhar o funcionamento dele.

Para entender como as tatuagens afetam o funcionamento do sensor, primeiro é necessário saber como ele registra as informações. O sangue é vermelho e absorve a luz verde dos LEDs que ficam por baixo do relógio, logo, quanto mais sangue, mais luz será absorvida. O sangue circula continuamente pelas veias. No entanto, quando o coração bate, esse fluxo fica mais forte, formando picos. O Watch possui dois LEDs verdes e dois sensores de luz, e esses LEDs piscam centenas de vezes por minuto. Os sensores capturam a quantidade de luz recebida de volta. Desta maneira, o relógio consegue detectar as batidas do coração.

De acordo com a própria Apple, o tipo de tinta, o formato, as cores e a intensidade da tatuagem podem afetar o funcionamento do sensor, já que de uma forma ou de outra vai acabar bloqueando a luz, que é exatamente o que o relógio precisa captar para que o recurso funcione. Por isso, tatuagens mais densas e escuras têm uma tendência maior a não funcionarem com o relógio inteligente da Apple.

Um outro problema mais sério do que o monitor cardíaco é o fato de que o relógio utiliza os mesmos sensores para detectar quando ele está no pulso do usuário, e com isso, não pedir senha para realizar algumas tarefas. Mas algumas pessoas acabaram até eliminando a verificação de segurança e a senha, trocando segurança por praticidade uma vez que as tatuagens bloqueavam o contato, fazendo com que o dispositivo "pensasse" estar fora do braço a todo momento.

Então, se você possui uma tatuagem e planeja adquirir um Apple Watch, seja quando ele chegar aqui nos próximos meses, seja nos EUA ou em outro país onde ele já está disponível, é melhor testá-lo no braço a ser utilizado antes de fazer a compra.

Com informações do Business Insider e Apple.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.