Agência de notícias da China emitirá NFTs gratuitos

Agência de notícias da China emitirá NFTs gratuitos

Por Munique Shih | Editado por Claudio Yuge | 11 de Janeiro de 2022 às 14h40
Reprodução/Consequence of Sound

Nesta quarta-feira (22), a agencia estatal de notícias chinesa, Xinhua, anunciou que emitirá uma coleção digital composta por fotografias de 2021 no dia 24 de dezembro. A seleção de imagens será disponibilizada gratuitamente através do aplicativo da Xinhua News utilizando a tecnologia de token não-fungível (NFT).

Serão disponibilizadas 11 fotografias digitais com dez mil cópias de cada uma. A seleção será composta por imagens dos momentos históricos da China no ano de 2021, incluindo a conquista da primeira medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Tóquio e uma foto comemorativa dos 100 anos do Partido Comunista Chinês.

A coleção de NFTs da Xinhua será emitida via Zxinchain, rede blockchain corporativa da Tencent, autorizada pelo governo. A mesma plataforma foi utilizada pela própria Tencent em setembro, para emitir sua coleção composta por pinturas digitais das cavernas das Grutas de Mogao, patrimônio reconhecido pela UNESCO, localizado na província chinesa de Gansu.

Empresas chinesas do campo, como a Goertek e a Perfect World, tiveram uma alta nas ações após o anúncio. Por outro lado, uma declaração da Tencent em novembro afirmou que em breve o metaverso deverá operar sob as regras estabelecidas pelas autoridades chinesas.

(Imagem: Reprodução/Pixabay)

"Desde que a experiência do usuário seja realmente fornecida sob uma estrutura regulatória, o governo chinês apoiará o desenvolvimento de tais tecnologias", disse Lau, da Tencent. Na China, a Internet tem sido severamente censurada, e as autoridades têm reprimido diversas big techs, incluindo a própria Tencent, desde o ano passado.

Em setembro, Pequim intensificou a repressão contra as criptomoedas, proibindo as atividades de mineração de cripto ativos, fazendo com que diversas empresas do ramo suspendessem suas atividades na China. A Binance e Huobi são alguns dos exemplos, ambas tiveram que restringir o registro de novos usuários do país nas plataformas.

Com o aumento da repressão de Pequim em relação às criptomoedas, a tendência pode ser a mesma para os NFTs, porém ainda não se tem certeza sobre como Pequim deverá se posicionar em relação aos tokens não-fungíveis e ao metaverso.

Fonte: SCMP

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.