Brasileiros são otimistas quanto a inovação, mas continuam cautelosos

Por Redação | 08.11.2013 às 14:17

Uma pesquisa global da Intel chamada "Intel Global Innovation Barometer" levantou dados sobre como as pessoas se relacionam com a tecnologia e foi capaz de traçar as expectativas dos brasileiros quanto a inovação na educação, saúde, trabalho e vida urbana.

A pesquisa foi conduzida pela Penn Schoen Berland a pedido da Intel, de 28 de julho a 15 de Agosto de 2013, em oito países: Brasil, China, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão e Estados Unidos. Foram entrevistadas 12.000 pessoas com mais de 18 anos.

De maneira geral, os brasileiros estão otimistas em relação à inovação tecnológica, mas se mantêm cautelosos sobre o uso excessivo da tecnologia. Mas o que isso realmente quer dizer?

Nove a cada dez brasileiros acreditam que a tecnologia é capaz de tornar sua vida mais fácil e que seu efeito é positivo na sociedade. Na área de educação, o otimismo é ainda maior, já que 96% dos entrevistados acreditam que a tecnologia pode melhorar a qualidade da educação no país. Em inovação urbana, apenas 51% enxergam a tecnologia como algo benéfico. Esse número cai para 48% no tráfego e 41% em meio ambiente.

Os brasileiros também estão otimistas sobre o papel do Brasil no mercado mundial de tecnologia, já que um a cada três acredita que o país esteja se tornando um líder global em inovação. Comparando com a média global, segundo a pesquisa, 92% dos brasileiros estão otimistas com o futuro da indústria local de tecnologia (92%, contra 69% na média global).

Cautela no uso

Se por um lado há a percepção de que a tecnologia pode beneficiar diferentes setores da sociedade, por outro os brasileiros acreditam que a sociedade se tornou muito dependente da tecnologia e que as informações pessoais deveriam ser preservadas.

Há uma forte ressalva quanto ao uso de informações pessoais por corporações ou serviços. Cerca de metade dos brasileiros disse não se sentir confortável em deixar empresas acessarem informações bancárias para criarem tecnologias e serviços inovadores. Esse número é de apenas 39% na China, 21% na Índia e 28% na Indonésia.

Além disso, 70% dos brasileiros enxergam que a sociedade atual é demasiadamente dependente da tecnologia. A preocupação é bem menor em países como China (32%), Itália (33%), Indonésia (41%) e Japão (47%).