Siga o @canaltech no instagram

10 previsões para 2019 que você precisa saber

Por Stephanie Kohn | 21 de Dezembro de 2018 às 11h55
Google

Os caçadores de tendências e especialistas passam o ano todo desvendando os sinais do mercado para conseguir antever cenários possíveis. Com a chegada do fim do ano, e com a ajuda do LinkedIn, compilamos algumas previsões para 2019. Vale lembrar que são apenas previsões e não um compromisso com a verdade. Veja abaixo 10 novas possibilidades para o próximo ano.

1 - Nova onda de startups

Nos últimos anos houve uma explosão de startups de serviços para facilitar as nossas vidas. O Uber foi a grande precursor inspirando outras empresas com seu modelo de negócio. Hoje temos o “Uber da entrega” como o Rappi, por exemplo, o “Uber da comida” como o iFood e muitos outros.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Segundo especialistas, os próximos vinte anos serão voltados à identificação de oportunidades um pouco mais difíceis, nas quais os softwares ainda não se infiltraram. Essas novas startups devem revolucionar os serviços regulamentados, levando para o mundo virtual as categorias mais complexas que são reguladas por alguma lei. Isso inclui os fornecedores que são licenciados por uma agência do governo ou certificados por um profissional ou organização de uma indústria: Engenharia, Contabilidade, Ensino, Direito e etc.

Exemplos já começaram a aparecer — como a Houzz, que permite que os usuários pesquisem e contatem profissionais licenciados para reformas residenciais, e o StyleSeat, que ajuda os usuários a procurarem e reservarem atendimentos com profissionais de estética licenciados. Você pode imaginar um startup para cada tipo de serviço que seja regulamentado, de advogados e médicos até agrônomos e dentistas.

2- Fusões estratégicas

Segundo especialistas, a Apple deve tentar comprar um estúdio de cinema para tentar se aproximar dos serviços de streaming da Netflix e da Amazon. A aquisição da Sony ofereceria à Apple acesso a uma biblioteca que inclui “Homens de Preto”, “Breaking Bad” e “Jumanji”, além do direito de fazer mais filmes do “Homem-Aranha”.

A Amazon, por sua vez, pode comprar o Snapchat. De acordo com o professor de marketing na New York University, Scott Galloway, o Snapchat precisa de algo mais se quiser se manter em pé e a principal candidata a transformar esse negócios é a Amazon, já que adolescentes são o público ideal para fazer mais compras.

3 - Sua casa será o alvo

Se a primeira fase da competição das empresas de tecnologia foi a corrida para ser o principal computador dos usuários (vencida pela Microsoft e o PC), e a segunda foi para ser o seu smartphone (vencida pela Apple em termos de lucros e pelo Google em termos de fatia de mercado), a batalha atual é sobre qual empresa vencerá a corrida na coordenação de tarefas das nossas casas. Segundo levantamento da Deloitte, 164 milhões de “smart speakers” devem ser vendidos em 2019 — como a Alexa da Amazon, o Google Home, o Facebook Portal ou o Apple HomePod. A receita total da indústria crescerá até 63%.

4 - Instagram entra em nova fase

O próximo ano vai ser importante para o Instagram, que deve ficar cada vez mais parecido com o Facebook. Segundo engenheiros que trabalham ou já trabalharam na empresa, ela deve investir fortemente no e-commerce, talvez até lançando um aplicativo exclusivo só para compras. Outro ponto relevante é que a rede terá mais usuários utilizando Stories do que o feed tradicional - isso tanto no Instagram, quanto Facebook e Snapchat. Ou seja, o conteúdo efêmero vai dominar os aplicativos.

5 - Redes sociais pagas vão começar a aparecer — e a fazer sucesso

Muitos já pagam para fazer parte de grupos exclusivos no WhatsApp e Slack. Várias empresas do Vale do Silício estão prestando atenção nesse comportamento, então é bem possível que novas redes sociais pagas façam sucesso em 2019 — ou mesmo empresas como Google ou Apple criem suas novas redes sociais, apenas para usuários que pagam por algum serviço.

6 - 5G chegará para mudar tudo

Segundo a Delloite, 25 operadoras lançarão o serviço de 5G em 2019 e outras 25 passarão a oferecê-lo em 2020. Atualmente, 72 operadoras estão testando esta nova rede de dados. No total, mais de um milhão de aparelhos 5G deverão ser vendidos em 2019 e esse número deve aumentar para algo em torno de 15 a 20 milhões de unidades em 2020. Além disso, um milhão de modens/roteadores 5G também deverão ser vendidos em 2019.

“Maiores velocidades e menor latência permitirão novas e inovadoras experiências do cliente em áreas que vão desde realidade aumentada até entretenimento, medicina e cidades inteligentes”, diz Kevin Westcott, líder do setor de telecomunicações, mídia e entretenimento da Deloitte nos EUA, ao LinkedIn.

7 - Impressão 3D rompe barreiras

As vendas de impressoras 3D comerciais ultrapassará US$ 2,7 bilhões em 2019 e romperá os US$ 3 bilhões em 2020, crescendo 12,5% a cada ano, de acordo com a Deloitte. A lista de materiais que podem ser impressos em 3D mais que dobrou nos últimos cinco anos, o que (juntamente com outras melhorias) levou a uma nova perspectiva do potencial de crescimento da indústria.

8 - Internet vence TV e cinema

No próximo ano, as pessoas ao redor do mundo passarão mais tempo online do que passam assistindo TV, de acordo com dados da empresa de medições Zenith fornecidos ao LinkedIn. Em 2019, espera-se que as pessoas passem, em média, 170,6 minutos por dia em atividades online, como assistir vídeos no YouTube, compartilhar fotos no Facebook e fazer compras na Amazon. Elas passarão um pouco menos de tempo – 170,3 minutos – assistindo TV.

O modo de “copo meio vazio” de analisar o fenômeno é que as pessoas estão se afastando da televisão, diz o presidente e CEO da Viacom, Bob Bakish. A visão de copo meio cheio, que ele favorece, é: "Hoje, consumimos mais conteúdo do que nunca antes na história.” Para a Viacom, isso significou expandir suas criações para muitas plataformas — como relançar o reality show The Real World no Facebook, adquirir festivais de música ou criar programas para outras plataformas de streaming. “Trabalhamos com pessoas cujas profissões talvez não existissem há 10 anos e que começaram a entrar no negócio de mídia há cinco anos”, diz ele. “É um ano de economia mista e de um ecossistema misto. E esse é o mundo do futuro”

2019 ainda vai ser o ano da guerra do streaming, com empresas como Disney e Warner lançando novos serviços para tentar desbancar a Netflix. Segundo um estudo da empresa de estatísticas Ampere Analysis, os serviços de streaming vão embolsar US$ 46 bilhões durante o ano, enquanto os cinemas tradicionais devem gerar pouco menos de US$ 40 bilhões no mesmo período.

9 - Inteligência Artificial estará em tudo

A Inteligência Artificial está cada vez mais presente no cotidiano de trabalho de diversos setores, indo desde a análise de evidências em pesquisas médicas e ajudar os governos nas decisões políticas mais sensatas até auxiliar na compra de um celular. “Embora 2018 tenha sido o ano de maior entusiasmo com a IA, estamos em um ponto de inflexão em que essas tecnologias estão sendo incorporadas em uma maior quantidade de ferramentas que utilizamos todos os dias”, conta Sharon O'Dea, cofundadora da consultoria de comunicações Lithos Partners e uma das Top Voices do LinkedIn. “É quando as tendências tecnológicas começam a se tornar invisíveis que elas realmente causam um grande impacto.”

10 - A automação do trabalho terá um impacto desproporcional sobre as mulheres

Como vimos no item acima, a Inteligência Artificial vai causar grande impacto no próximo ano e, de acordo com Christine Lagarde, diretora-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), a tendência à automação é especialmente desafiadora para as mulheres, porque elas tendem a ser empregadas em tarefas mais rotineiras do que os homens em todos os setores e ocupações, tornando-as mais propensas a sofrerem com a automação.

Uma nova pesquisa do FMI estima que 26 milhões de empregos femininos em 30 países estão sob alto risco de serem substituídos pela tecnologia nos próximos 20 anos. Isso significa 180 milhões de empregos femininos em todo o mundo! “Nós não temos muito tempo para agir e, por isso, 2019 é o ano para fazer incursões importantes para enfrentarmos este desafio. Como? Precisamos ajudar as mulheres a adquirir as competências necessárias para terem uma carreira de sucesso. A educação e a formação serão fundamentais — incluindo maior ênfase na aprendizagem ao longo da vida e STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática)”, disse.

Segundo a diretora-chefe, também é necessário reduzir a disparidade de gênero em cargos de liderança em todos os setores. Ainda é essencial diminuir a lacuna digital e garantir que as mulheres tenham acesso igual a financiamento, contas bancárias e conectividade. 2019 é o ano em que devemos avançar para assegurar condições equitativas entre homens e mulheres.

Fonte: 20 previsões para 2019 e 30 grandes ideias para 2019

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.