Publicidade

Mineral misterioso é descoberto por cientistas em novo experimento

Por| Editado por Patricia Gnipper | 26 de Outubro de 2022 às 19h16

Link copiado!

Imagem: National Park Service/Wikimedia Commons
Imagem: National Park Service/Wikimedia Commons

Um mineral do manto terrestre cuja existência existia apenas em teoria foi finalmente descoberto por cientistas nos Estados Unidos. Presente no manto inferior, que corresponde a 55% do volume da Terra, o mineral foi sintetizado em laboratório por meio de um experimento em altas temperaturas e pressões.

Estudar as camadas abaixo da crosta terrestre não é tarefa fácil, afinal, não é possível mergulhar no manto de magma que se encontra depois da superfície do planeta. Já se sabia que o manto inferior é composto por três principais minerais — bridgmanita, davemaoíta e ferropericlase — mas havia indícios da existência de mais um.

O fato é que a bridgmanite e a davemaoíta possuem a mesma estrutura cristalina, um arranjo de átomos conhecido como perovskita. Isso implica que, em condições favoráveis de temperatura e pressão, ambas deveriam se fundir. Porém, isso nunca havia sido observado.

Continua após a publicidade

Foram necessárias duas décadas de tentativas. A solução para o mistério foi encontrada em um experimento que aqueceu os minerais a altíssimas temperaturas muito rapidamente. Por meio de uma câmara especial, as amostras chegaram a cerca de 1.900 ºC em menos de um segundo, para depois serem aquecidas a temperatura final de 2.800 ºC.

Foi por volta dos 2.000 ºC que, através de imagens de raio-x, os cientistas observaram a formação de um só mineral de perovskita. Esse material só deve existir nas partes inferiores do manto terrestre, de 600 a 2.900 quilômetros de profundidade, onde a temperatura e a pressão atingem o necessário para sua formação.

Os autores do estudo concluíram em seu artigo, publicado na revista Nature, que sua descoberta “impacta toda a compreensão da composição, estrutura, dinâmica e evolução” desta região do globo terrestre.

Continua após a publicidade

Fonte: Nature Via: Science Alert