Microsoft anuncia compromisso global de zerar suas emissões de carbono até 2030

Por Stephanie Kohn | 04 de Agosto de 2020 às 11h36
Divulgação
Tudo sobre

Microsoft

Saiba tudo sobre Microsoft

Ver mais

A Microsoft anunciou o compromisso global de zerar suas emissões de carbono até 2030 e, a partir de 2050, deverão remover mais carbono do ambiente do que emitiram desde a fundação. A empresa foi criada há 45 anos, em abril de 1975, por Bill Gates e Paul Allen.

"Em julho de 2020, começamos a expandir o valor da nossa taxa interna de carbono atual para cobrir nossas emissões de escopo 3, emissões indiretas de atividades como a produção dos bens adquiridos e resíduos. Nas áreas sociais e educacionais, também assumimos o compromisso de disponibilizar tecnologia para gerar um impacto real, apoiando a oferta de capacitação que aumente as chances de emprego", disse Lucia Rodrigues, Líder de Filantropia da Microsoft Brasil, ao Canaltech.

Como parte da iniciativa de zero carbono, a companhia vai iniciar o que chamam de "Centros Circulares", que ajudarão a empresa a reutilizar e reciclar 90% do lixo de suas fábricas, em vez de mandar para terceiros. Um dos maiores itens a serem reciclados por eles serão os servidores usados nos data centers. A Microsoft também declarou que não terá qualquer desperdício em seu processo de manufatura até a data estipulada.

A companhia também disse ao Canaltech que criou uma iniciativa para usar a tecnologia Microsoft para ajudar fornecedores e clientes em todo o mundo a reduzir suas próprias pegadas de carbono e um novo fundo de inovação climática de US$ 1 bilhão para acelerar o desenvolvimento global de tecnologias de redução, captura e remoção de carbono. "A partir do próximo ano, a Microsoft também fará da redução de carbono um aspecto explícito de nossos processos de compras para nossa cadeia de suprimentos. Um novo relatório anual de sustentabilidade ambiental detalha o impacto de carbono e a jornada de redução", comentou a líder.

Na área de data centers, a companhia também anunciou esforços ao desenvolvimento de alternativas sustentáveis relacionadas ao consumo de energia. Segundo a empresa, o último anúncio diz respeito ao teste para uso de células de combustível de hidrogênio para a energia de backup em datacenters. "Para ajudar a atingir esse objetivo e acelerar a transição global dos combustíveis fósseis, a Microsoft também pretende eliminar sua dependência do diesel até 2030", falou.

Desafios

No ano passado, os maiores complexos de escritórios da Microsoft enviaram cerca de 3 mil toneladas de resíduos para aterros sanitários. Com o novo compromisso, a empresa espera reduzir esse valor a zero na próxima década. Porém, o lixo proveniente dos escritórios é um problema bem menor se comparado com o lixo eletrônico procedente dos gadgets que a companhia e demais fabricantes de tecnologia produzem.

Em 2019, as pessoas jogaram mais de 53 milhões de toneladas métricas de lixo eletrônico, um recorde segundo relatório do Global E-waste Monitor 2020 das Nações Unidas, divulgado em julho deste ano. E esse número só tende a crescer, como vem acontecendo anualmente. Ou seja, o anúncio da Microsoft não deve causar grande impacto neste sentido, já que a empresa ainda não se responsabiliza pelo o que acontece com os produtos que vende.

“As empresas de eletrônicos fazem um ótimo trabalho ao projetar [gadgets] por prazer e eficiência, mas a rápida mudança na demanda dos consumidores também significa que estão projetando para obsolescência. Portanto, o produto mais novo e mais legal de hoje se torna o lixo de amanhã", disse Scott Cassel, fundador do Instituto de Administração de Produtos sem fins lucrativos, em uma entrevista em julho ao The Verge.

Cassel e outros defensores do meio ambiente pressionam as empresas de eletrônicos para que elas produzam produtos que durem mais, além de se responsabilizarem pela coleta e reciclagem dos dispositivos que no final de suas vidas úteis.

Outros grupos de defesa, como o US PIRG, pediram à Microsoft que vote a favor do projeto de lei norte-americano de "direito de reparo", que exige que as companhias divulguem informações sobre seus produtos para ajudar consumidores a fazerem reparos por conta própria ou por meio de terceiros. De acordo com os defensores, este tipo de iniciativa poderia ajudar a manter os produtos em uso por mais tempo e mantê-los fora dos aterros sanitários.

Em entrevista ao The Verge, a Microsoft informou que projetou seu Surface Laptop e Surface Pro X para que sejam mais fáceis de desmontar e consertar do que os modelos anteriores. "Estamos absolutamente comprometidos em aumentar a capacidade de reparo de nossos próprios produtos, mas também tentamos equilibrar outros aspectos como segurança e durabilidade e, é claro, provavelmente o mais importante para nós: privacidade e segurança", disse Brian Janous, gerente geral da Microsoft de energia e sustentabilidade. "Este é o primeiro passo de uma jornada. Haverá muito mais por vir à medida que aprendemos mais sobre como podemos realmente influenciar esse ciclo de vida útil", finalizou.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.