Julho de 2021 foi o mês mais quente já registrado nos últimos 142 anos

Julho de 2021 foi o mês mais quente já registrado nos últimos 142 anos

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 16 de Agosto de 2021 às 13h30
NASA Earth Observations

Julho deste ano foi classificado como o mês mais quente já registrado em todo o mundo no histórico dos últimos 142 anos, de acordo com o Centros Nacionais de Informações Ambientais (NCEI, na sigla inglês) da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA) dos EUA. O novo recorde é apenas mais um alarme da crise climática já em curso e é muito provável que 2021 esteja entre os 10 anos mais quentes já registrados em 142 anos.

Rick Spinrad, administrador da NOAA, explica que julho é normalmente o mês mais quente do ano em todo o mundo, mas, neste ano, ele se superou como o mais quente já registrado. "Este novo recorde contribui para o caminho perturbador que a mudança climática estabeleceu para o globo", acrescenta Spinrad. Segundo a agência, a temperatura combinada da superfície terrestre e dos oceanos estava 0,93 °C acima da média registrada no século passado, de cerca de 15,8 °C.

(Imagem: Reprodução/NOAA)

O novo recorde é 0,01 °C maior do que o alcançado em julho de 2016, o que se repetiu em 2019 e 2020. Apesar disso, o de acordo com o serviço europeu de mudanças climáticas Copernicus, o mês passado foi, na verdade, o terceiro julho mais quente já registrado no mundo. Zeke Hausfather, cientista climático do Breakthrough Institute, diz que não é incomum que as agências apresentem pequenas diferenças entre seus dados.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Independentemente de onde terminem ou comecem as diferenças exatas de temperatura,Hausfather ressalta que o calor que o mundo tem experimentado neste verão do hemisfério Norte é um impacto direto das mudanças climáticas provocadas pela emissão de CO2 e outros gases de efeito estufa. "Os eventos extremos que estamos vendo em todo o mundo — desde ondas de calor que quebram recordes até chuvas extremas e incêndios violentos — são todos impactos há muito previstos e bem compreendidos de um mundo mais quente", acrescenta.

(Imagem: Reprodução/NOAA)

O novo recorde não chega como uma surpresa. Vale destacar que, no último dia 9 de agosto, a ONU publicou o novo relatório de crise climática, o IPCC (na sigla em inglês), onde cientistas alertam que o mundo está a caminho de atingir 1,5 °C de aquecimento global até 2030. "Cientistas de todo o mundo forneceram a avaliação mais atualizada das formas como o clima está mudando", aponta Rick Spinrad.

Até o momento a temperatura global já aqueceu 1,1 °C em relação aos níveis registrados antes da era industrial. Pode parecer pouco, mas, em um cenário global, já é o suficiente para produzir as tantas mudanças climáticas observadas em eventos cada vez mais extremos. A NOAA também informa que apenas a temperatura média da superfície da Terra, registrada no hemisfério Norte em julho, superou a marca de 2012. Na Ásia, foi o julho mais quente de todos os tempos, superando o recorde alcançado em 2010, enquanto na Europa foi o segundo julho mais quente, perdendo apenas para 2018.

Fonte: ScienceAlert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.