Erupção do vulcão Cumbre Vieja é fotografada do espaço; confira!

Erupção do vulcão Cumbre Vieja é fotografada do espaço; confira!

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 23 de Setembro de 2021 às 16h40
ESA/Thomas Pesquet

Desde que entrou em erupção no último dia 19 de setembro, o vulcão Cumbre Vieja, nas Ilhas Canarias, tem chamado a atenção do mundo. Enquanto ele lança um fluxo contínuo de lava com cerca de 1.000 °C, as câmeras atentas de astronautas e de satélites em órbita fazem registros incríveis, revelando a beleza assustadora do fenômeno, e deixando ainda mais impactante sua proximidade com as comunidades da região.

Nesta quarta-feira (22), o astronauta da Agência Espacial Europeia, Thomas Pesquet, compartilhou uma imagem registrada por ele pelas janelas da Estação Espacial Internacional. Em publicação no Twitter, ele chama a atenção para as luzes alaranjadas da lava expelida em contraste com a escuridão do Oceano Atlântico, e também para a proximidade da lave em relação às luzes noturnas da cidade.

Já o satélite de alta resolução para observação da Terra operado pela Maxar Technologies registrou um grande fluxo de lava expelido pelo vulcão durante a noite e, em outra imagem, uma visão da região durante o dia. Para mostrar o quão próximas estão as comunidades dos fluxos de lava, a Maxar combinou estas duas imagens, revelando uma densa colcha de edifícios e estradas por quase toda a borda do Cumbre Vieja.

Esta é a primeira vez que o Cumbre Vieja entra em erupção desde 1971 e cientistas do mundo todo seguem monitorando sua atividade. Segundo o Copernicus Atmosphere Monitoring Service (CAMS), da União Europeia, a fumaça rica em dióxido de enxofre se espalhará pelo noroeste de Marrocos, Argélia e por todo o Mediterrâneo. O CAMS ainda prevê que a pluma alcançará a Espanha e metade da França até o próximo fim de semana.

O cientista sênior da CAMS, Mark Parringron, explicou que os efeitos dessa pluma sobre o clima e os níveis de poluição do ar e solo provavelmente serão mínimos. Em solo, o gás pode causar irritação no trato respiratório e piorar doenças como a asma. Ainda, o dióxido de enxofre pode reagir com outros compostos atmosféricos, como a água, e provocar uma chuva ácida, capaz de danificar plantas.

Apesar disso, Parringron apontou que a pluma lançada pelo vulcão está a mais de 5 km de altitude e boa parte desse material se manterá distante. "A maior parte do dióxido de enxofre emitido é muito mais alto na atmosfera, especialmente à medida que você se afasta da fonte", acrescentou o cientista. Em relação às cinzas vulcânicas, o Centro Consultivo de Cinzas Vulcânicas da França informou que elas só podem ser detectadas próximas ao vulcão; então, por enquanto, não há previsão de interrupção do tráfego aéreo.

Previsão da propagação da pluma de dióxido de enxofre nos próximos dias (Imagem: Reprodução/CAMS)

Desde o início de sua erupção, um rio de lava com temperatura de 1.000 °C se espalha pelo lado oeste do Cumbre Vieja, destruindo tudo pelo caminho, já cobrindo mais de 166 hectares de terra. Os geólogos temem que a lava, ao entrar em contato com o oceano, libere gases tóxicos — o que deve acontecer ainda nesta semana.

Fonte: Space.com, Copernicus

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.