Cientistas alteram visão do mosquito da dengue, impedindo que ele pique humanos

Cientistas alteram visão do mosquito da dengue, impedindo que ele pique humanos

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 04 de Agosto de 2021 às 09h40
shammiknr/Pixabay

Cientistas da Universidade de Santa Barbara, na Califórnia, realizaram um novo estudo para tentar entender como a fêmea do mosquito que transmite a dengue, o Aedes aegypti, consegue reconhecer um humano usando sua visão. Eles descobriram, então, que eles são atraídos por nuvens de CO2 que nós emitimos, buscando por pontos escuros como alvos.

De acordo com os pesquisadores, muitos estudos já falaram sobre como eles são capazes de detectar CO2, odores orgânicos e temperatura, enquanto os mecanismos moleculares da visão eram ignorados. Para os especialistas, é importante entender a visão dos mosquitos porque eles costumam picar durante o dia, transmitindo não só a dengue, como outras doenças perigosas como a febre amarela e a zika.

Imagem: Reprodução/Mohamed Nuzrath/Pixabay

Enganando os olhos do mosquito

O estudo, então, descobriu que a capacidade do Aedes aegypti em reconhecer alvos escuros nas nuvens de CO2 é interrompida pela inativação dos receptores Opsin1 (Op1) e Opsin2 (Op2). Craig Montell, professor de biologia molecular e um dos autores do estudo, explica que para realizar o teste foram inseridas mutações que eliminaram duas das cinco opsinas presentes nos olhos dos mosquitos. Com isso, o reconhecimento de alvo induzido por CO2 foi eliminado sem causar cegueira.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Esses mosquitos enxergam em baixa resolução e têm olhos sensíveis, como explicam os pesquisadores. Então, quando uma fêmea detecta uma nuvem de CO2, logo ela começa a busca por um hospedeiro, visando um foco de cor escura. Na pesquisa, os cientistas usaram elementos visuais em três experimentos diferentes, investigando então seus comportamentos na ausência dos receptores Opsin 1 e 2. 

Imagem: Reprodução/UC Santa Barbara

Os cientistas não só descobriram que houve a dificuldade em encontrar pontos pretos em nuvens de CO2 após a eliminação de ambos os receptores: a visão dos mosquitos não foi danificada por isso. Montell diz que este é o primeiro estudo a fazer tais descobertas, sendo também a primeira vez em que a atração-alvo do mosquito é eliminada geneticamente.

Em pesquisas futuras, a equipe planeja identificar outros receptores envolvidos no comportamento da busca por hospedeiros e da alimentação de sangue e néctar em mosquitos Aedes aegypt.

Fonte: Futurity, UC Santa Barbara  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.