YouTube bane propagandas políticas e de apostas de sua página inicial

YouTube bane propagandas políticas e de apostas de sua página inicial

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 15 de Junho de 2021 às 09h10
Christian Wiediger /Unsplash

O YouTube não vai mais permitir que certos tipos de publicidade apareçam no topo da página inicial. Temas políticos e eleitorais, assim como relacionados a apostas, álcool ou drogas lícitas, também foram banidos dos espaços de destaque na página inicial.

A partir de agora, não haverá mais links para sites de apostas ou cassinos, seja online, offline ou nas mídias sociais. Propagandas que incentivem determinados candidatos ou partidos políticos também devem ser excluídos. Por outro lado, quando tratar sobre questões políticas relevantes, os anúncios serão analisados caso a caso.

O formato Masterhead não vai mais aceitar propagandas relacionadas a política, álcool, drogas ou apostas (Imagem: Reprodução/Raffcom)

Hoje, a plataforma é o principal repositório de vídeos do planeta, por isso é também o local que mais recebe anunciantes interessados em vender produtos, serviços e ideias. As outras áreas devem continuar a receber propagandas sobre tais temáticas, já que as restrições são apenas para os anunciantes da página principal do YouTube.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O sistema da rede já havia o acesso ao masterhead (topo do YouTube) em vez de mudar a sua política de anúncios em razão de experiências anteriores com o segmento político. Vale ressaltar que tal estratégia foi usada na campanha de milhares de políticos em todo o mundo, em especial na tentativa de reeleição do ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

A compra do espaço conhecido como masterhead é uma oportunidade atraente para anunciantes que buscam fazer sucesso antes de um evento importante. Esse espaço é comercializado como uma estratégia de marketing eficaz, já que, por serem mais visíveis, costumam ter mais acessos do que os anúncios de banner regulares.

Crítica para uso eleitoral

Muitos veículos de imprensa e setores sociais criticaram o YouTube por ter vendido esse espaço de destaque para o político. Isso porque dá a entender que existe um apoio indireto do serviço por determinado candidato em detrimento de outros.

Trump usou o espaço para influenciar eleitores, o que agora passará a ser proibido (Imagem: Reprodução/New York Times)

No dia da eleição, em novembro do ano passado, ele comprou o espaço para se autopromover, o que não é vedado pelas legislação eleitoral americana, diferentemente do Brasil. A companhia pausou todos os anúncios após o fechamento das urnas no dia das eleições. Logo depois do ataque ao Capitólio, em janeiro, novo bloqueio foi feito para evitar a insurreição das pessoas contra o novo governo.

Segundo o Google, o objetivo da mudança é equilibrar as necessidades entre anunciantes e usuários, sem prejudicar a experiência de ambos. A nova política se aplica a todos os usuários do Google ADS, o que inclui usuários brasileiros.

O que você achou da novidade? Deixe sua opinião nos comentários.

Fonte: Google ADS

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.