#SalveBelParaMeninas: O que está por trás da polêmica das redes sociais

Por Rafael Arbulu | 19 de Maio de 2020 às 12h55
(Imagem: Reprodução/Facebook)

O ramo dos youtubers é um que não é livre de perigos. E, infelizmente, mais um caso em que a internet levanta a possibilidade de uma série de abusos tomou as redes sociais de assalto desde o último final de semana, sem sinais de desacelerar. Usuários do Twitter já sabem do que estamos falando: a hashtag #SalveBelParaMeninas, que alcançou o topo dos assuntos mais discutidos na rede de microblogs.

Contextualizando: a tag refere-se à jovem Bel, do canal “Bel Para Meninas” (com cerca de 7 milhões de inscritos). A menina, que tem 14 anos, protagoniza vídeos de sua rotina adolescente, bem como material de vestuário, maquiagem e outras pautas direcionadas ao público feminino. A polêmica refere-se a uma teoria que, até o momento, não conseguimos identificar um ponto específico de origem, postula que a mãe de Bel, Francinete Peres (que tem o canal “Fran Para Meninas”, como 6 milhões de inscritos, além de outros dois com a irmã caçula de Bel e seu marido) estaria forçando a filha a gravar vídeos que a deixaram visivelmente desconfortável, sinalizando um caso de abuso de menores.

Até segunda-feira (18), a hashtag contava com quase 600 mil interações. Mas, afinal, o que levou a internet a dar credibilidade a essa acusação? É o que o Canaltech tenta descobrir aqui.

#SalveBelParaMeninas: origem da hashtag

É difícil apontar um momento específico de origem da situação, haja vista que os internautas — majoritariamente o Twitter — exibem várias evidências que serviriam de sinal para comprovar suas teorias. O que parece ser mais consistente é uma série de prints referentes a vídeos variados protagonizados por Fran e Bel.

Especificamente, fazem as rondas no Twitter um vídeo onde Fran aparece zombando da filha após esta vomitar em câmera (removido e proibido, segundo internautas) e outro expondo momentos de tristeza da menina após determinadas situações escolares. Nem todos os vídeos estão no ar agora, mas os materiais abaixo ficam de registro:

Na mídia, até agora nenhum veículo de grande porte abordou a situação e a pauta acabou tocada “por cima” por um blog de fofocas intitulado Breaktudo. O que permeia toda a situação, porém, são threads e mais threads no Twitter, com usuários postando memes, opiniões, acusações, ofensas, além de, claro, vídeos de “revelação”.

Desnecessário dizer, a veracidade disso ainda está a ser confirmada:

Vale citar: o canal Bel Para Meninas já foi alvo de investigação pelo Ministério Público em 2016 após ser acusado de lucro irregular proveniente das publicidades veiculadas no canal (Bel, à época, tinha 8 anos, idade que possui normas específicas de tratamento publicitário segundo os guidelines do YouTube). Na época, uma reportagem do UOL apontou:

"O procurador justificou o inquérito ao ver nos vídeos do canal 'práticas de direcionamento de publicidade e comunicação mercadológica ao público infantojuvenil com a intenção de persuadi-lo para o consumo de produtos/serviços por meio de, por exemplo, aspectos relacionados à linguagem infantil, a efeitos especiais e excesso de cores, a trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança e à representação de criança'".

O outro lado da moeda

Até o presente momento, nem Bel, nem Fran se manifestaram sobre o caso de forma aberta. O canal não possui um perfil oficial no Twitter para responder às acusações, mas alguns internautas dizem que Fran, a mãe, já ameaçou processar pessoas judicialmente, sem nomear especificamente alguém.

No Facebook, há uma página com o selo oficial de autenticidade atribuída ao canal, mas a última postagem feita é de maio de 2019. No Instagram, a conta oficial da família de Bel publicou uma foto recente:

Neste mesmo perfil no Instagram e na página de “Sobre” no canal do YouTube, encontramos um endereço de e-mail listado como “contato corporativo”. Sendo essas as únicas formas de contato, enviamos mensagens via e-mail e Instagram, mas até o fechamento desta matéria o Canaltech não obteve qualquer resposta ou comentário sobre o caso.

Déja Vù

O caso não é o primeiro levante das redes sociais em busca do salvamento de uma personalidade da internet. Em 2016, a youtuber britânica Marina Joyce acabou sendo a figura central de uma campanha que viu o Twitter se mobilizar contra um suposto abuso e cárcere privado que teria sido protagonizado pelo namorado da celebridade.

Marina Joyce sempre apresentou-se de forma alegre e gesticulosa em seus vídeos, mas publicações da época sinalizaram um comportamento de risco, com a menina se mostrando um pouco mais tímida e com visíveis marcas pelo corpo, que muitos disseram tratarem-se de hematomas.

A youtuber britânica Marina Joyce, que foi figura central de uma teoria de internet que postulava que a celebridade estaria sofrendo abusos e cárcere privado: a polícia britânica se envolveu, mas não encontrou irregularidades (Imagem: Reprodução/YouTube)

A situação só piorou após a própria Marina ter tuitado um encontro com fãs em um shopping local — evento esse que não aconteceu e que acabou reforçando a ideia de que a jovem estaria sendo mantida em cativeiro pelo namorado, que a estaria forçando a produzir conteúdo para o YouTube, ficando com as rendas geradas.

No final, a polícia local se envolveu no caso e, abrindo uma investigação, visitou a casa de Marina e seu namorado, informando que não encontraram irregularidades no local. Até hoje, a situação permanece não resolvida, embora os defensores, antes unidos, agora estão bem divididos: uns acusam Marina de ter orquestrado tudo como uma jogada publicitária para ganhar mais seguidores (e ela ganhou: triplicou o número de inscritos no canal desde o surgimento do caso), enquanto outros desacreditam da polícia e seguem afirmando que ela era uma vítima. Há ainda uma terceira corrente que acusa a menina de sofrer distúrbios psicológicos, como esquizofrenia, decorrentes da pressão pelo sucesso como influenciadora de conteúdo.

E você, o que pensa disso tudo? Há algum caso de abuso aqui? Seria essa uma jogada de marketing da mãe de Bel para ampliar a esfera de influência de todos os canais? Ou os temores são infundados? Conte para nós nos comentários abaixo!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.