PewDiePie deleta canal no YouTube, mas não o que você esperava

Por Leandro Souza | 09.12.2016 às 15:48
photo_camera Reprodução

Quase toda a Internet, ou mais especificamente os usuários que acompanham o YouTube ficaram na expectativa quando o maior YouTuber da plataforma, PewDiePie, anunciou na semana passada que deletaria seu canal assim que ele batesse a marca de 50 milhões de inscritos, algo inédito na plataforma. Pois bem, a promessa do sueco ‎Felix Kjellberg, foi cumprida, mas não do jeito que era esperado.

Depois de uma onda de novas assinaturas (cerca de 700 mil) nos últimos sete dias, desde que foi publicado o vídeo em que a promessa foi realizada, Kjellberg publicou nesta sexta o vídeo em que deleta o seu canal. Entretanto, ele deletou um de seus canais secundários.

Ao final do vídeo, ele claramente fez menção às suas táticas apelativas para atrair novos seguidores e toda a repercussão que sua (falsa) promessa causou na mídia, se refletindo inclusive no aumento significativo de inscrições no canal.

Kjellberg chegou a comentar o ocorrido antes de cumprir a promessa de deletar seu (outro canal): "Sabe quando você faz uma piada, e ela é exagerada além do que você imaginava?", explicou o YouTuber.

Ou seja, PewDiePie claramente "trollou" a Internet e saiu ganhando ao bater rapidamente a sua meta de 50 milhões de inscritos.

Mesmo com a falsa promessa, a crítica feita por PewDiePie no vídeo em que fez a ameaça de sair do serviço de vídeos do Google faz algum sentido. O problema apontado pelo youtuber está no sistema de recomendações de conteúdo. De acordo com PewDiePie, apenas 1% da audiência média do seu canal de games provém das sugestões do YouTube. Antes da suposta mudança, o recurso era fonte de mais de 30% do tráfego em seus vídeos.

O serviço de streaming de vídeos negou ter feito qualquer alteração em seus algoritmo de "vídeos sugeridos" nos últimos meses, mas outros criadores de conteúdo também já fizeram a mesma reclamação. Mas essa não é a única crítica em relação ao YouTube, que também está sendo acusado de cancelar inscrições dos usuários em alguns canais. Em relação a essa afirmação, o serviço do Google diz que nunca encontrou nenhuma evidência de que isso esteja acontecendo.

Entre uma estratégia de marketing e outra, entretanto, PewDiePie segue firme como o YouTuber mais popular da plataforma, assim como o que ganha mais dinheiro com seus vídeos. Confira abaixo a lista dos mais bem pagos do YouTube.

  1. PewDiePie (US$ 15 milhões)
  2. Roman Atwood (US$ 8 milhões)
  3. Lilly Singh (US$ 7,5 milhões)
  4. Smosh (US$ 7 milhões)
  5. Rosanna Pansino (US$ 6 milhões)
  6. Tyler Oakley (US$ 6 milhões)
  7. Markiplier (US$ 5,5 milhões)
  8. German Garmendia (US$ 5,5 milhões)
  9. Rhett and Link (US$ 5 milhões)
  10. Colleen Ballinger (US$ 5 milhões)