Inventor da World Wide Web quer devolver aos usuários controle de dados pessoais

Por Thaís Augusto | 03 de Abril de 2019 às 23h00
The Verge
Tudo sobre

Tim Berners-Lee

Saiba tudo sobre Tim Berners-Lee

A coleta de dados e o uso de informações pessoais para o direcionamento de anúncios é um assunto polêmico, e uma notícia reacendeu a discussão nesta quarta-feira (3), quando o inventor da World Wide Web, Tim Berners-Lee, declarou que quer devolver o controle de dados privados aos usuários.

Berners-Lee passou a apoiar a tecnologia de código aberto Solid, criada para extrair informações pessoais das empresas que direcionam anúncios ou das que participam de esquemas de manipulação política. Com a iniciativa, ele também anunciou seu apoio à startup Inrupt, que pretende comercializar a tecnologia.

A partir da Solid, usuários poderiam armazenar seus dados em "casulos online" gerenciáveis. Dessa forma, seria possível compartilhar as informações quando quiser e também impedir o uso de determinados dados pessoais. "Queremos usar a tecnologia para fazer uma correção no meio do caminho", comentou Berners-Lee. "Estamos vendo uma enorme reação contra a distopia do mundo da tecnologia". As declarações foram dados durante uma conferência em São Francisco, na Califórnia. O evento foi realizado pela empresa Okta, que atua no setor da tecnologia de autentificação online.

Tim Berners-Lee

Essa não é a primeira vez que Berners-Lee pede uma reforma da web desde que escreveu e compartilhou o software inicial para que as pessoas pudessem publicar seus próprios sites e ler outros. Há anos, o inventor vem pedindo melhorias no ambiente virtual e acrescentou as notícias falsas e a adulteração de eleições à sua lista de "doenças" que estão contaminando a internet.

No aniversário de 30 anos da World Wide Web no início deste ano, ele pediu ações coletivas para resolver seus problemas. E agora a sua esperança recai sobre a Solid. Contudo, Lee reconhece as dificuldades para que a nova tecnologia dê certo no ambiente online. Será preciso persuadir muitos desenvolvedores a criarem um software que funcione com a Solid e ainda convencer os usuários comuns a financiarem a internet. Hoje, esse papel é desempenhado pelos anúncios.

Segundo ele, sites dirigidos por anúncios podem ser ruins por espalharem notícias falsas na esperança de conseguir mais cliques. "'Hillary realmente queria que Trump ganhasse' foi a melhor manchete em termos de receita publicitária", disse.

Compartilhando dados selecionados

Em um mundo com a tecnologia Solid, você pode compartilhar informações seletivas sobre saúde ou condicionamento físico com seu médico, e o profissional consegue compartilhar partes importantes de um resultado de laboratório com você. O controle de dados é do proprietário dos dados.

Mais tarde virão os aplicativos que, uma vez que você concedeu permissão e possivelmente pagou pelos serviços que eles oferecem, irão acessar os dados do seu "casulo online".

Só que chegar até lá pode ser difícil. Os aplicativos poderiam quebrar se as pessoas revogassem a permissão de acesso aos dados. Um amigo pode compartilhar fotos de uma festa com outra pessoa, mas a segunda pessoa pode não ser capaz de encaminhar as fotos para outro participante. Imagine um mundo em que você recebe muitas solicitações para atualizar as configurações de permissão para diferentes arquivos e categorias de dados.

Mas para Berners-Lee, vale a pena enfrentar esses problemas. "Não há mais a Cambridge Analytica tentando coletar dados de milhões de usuários para análise política. O projeto Solid é sobre transformar a forma como a web funciona", disse.

Fonte: CNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.