Campus Party | Al Gore conclama a defesa da internet contra a desinformação

Por Rui Maciel | 11 de Julho de 2020 às 19h30
Divulgação

Na última sexta-feira (10), o segundo dia da Campus Party Digital Edition contou com um debate peso-pesado quando o assunto foi internet. Isso porque ele reuniu Sir Tim Berners-Lee, considerado o pai da web como conhecemos hoje, já que ele foi o inventor da World Wide Web no CERN; Vint Cerf, que ajudou a criar os protocolos TCP/IP e a arquitetura da internet atual; e Al Gore, vice-presidente americano na gestão Bill Clinton, ambientalista dos mais atuantes e ganhador do Oscar pelo documentário Uma Verdade Inconveniente. E, de quebra, o debate foi mediado por David Pogue, um dos mais influentes jornalistas de Tecnologia do mundo, com passagens pelo jornal The New York Times, bem como os canais CBS e PBS.

No debate, intitulado Reboot the Web, by the pioneers of the Internet (Reinicie a Web, pelos pioneiros da internet, em tradução livre), a mensagem principal veio de Al Gore: a internet precisa ser protegida...da própria internet. Para ele, "nem tudo está bem na web. O político disse que alguns responsáveis por políticas de uso, políticos e grandes empresas digitais vêm utilizando a internet de uma forma errada, por meio de "uma estrada de alta velocidade de desinformação" e que isso vem derrubando algumas das mais sagradas regras em diversas democracias representativas e isso precisa ser apontado.

"A mídia impressa do começo do século 20 também enfrentou tempos difíceis. Demorou para formar-se um novo tipo de establishment. E o mesmo acontece na internet hoje. O Twitter mudou suas políticas de uso, Reddit mdou suas regras. Vemos o Facebook sob uma enorme pressão popular. Vemos hoje evidências de uma crescente conscientização e determinação de parte dos usuários", afirmou Gore. "A internet é para o povo. E esforços auto-organizados por parte da população para defender a integridade do fluxo de informações na web realmente são importantes para o nosso futuro"

Gore afirma ainda que é dever das novas gerações de usuários da Web pelo mundo defenderem a internet do mau uso por parte de certa parte do público e, principalmente, eles precisam criar um ambiente digital mais saudável: "Conclamo não apenas os mais jovens, mas também os mais velhos: apaixonem-se em defender a autoridade da Internet. Nós podemos recuperá-la!. O processo ainda está em andamento, mas podemos acelerar".

"A internet, atualmente, está disponível para apenas 50% da população e isso inclui usuários de dispositivos móveis", afirmou Vint Cerf sobre o tema. "Então ainda temos um longo caminho para percorrer. Porque prover esse acesso, inclusive em países mais evoluídos, como os EUA - onde metade das pessoas não tem acesso a internet de alta velocidade, segundo um estudo da Microsoft. E só a partir daí é que podemos criar políticas de privacidade onde o usuário é protegido, onde sua informação é protegida.E precisamos ensinar as pessoas como lidar com a desinformação. Porque quanto mais tecnologia nós colocarmos para tentar filtrá-las, menos desenvolveremos um pensamento crítico em como filtrar esses dados".

Falando também em segurança, Cerf afirmou que mesmo depois de anos e muita informação rodando, "ainda precisamos ensinar as pessoas a se protegerem na internet". O especialista disse também que poucas pessoas usam recursos para se manterem devidamente protegidas e que permitam uma identificação segura. E destacou um método que já deveria ser padrão no mundo todo: "Autenticação em dois fatores é a melhor solução atualmente e deve ser usada o tempo inteiro", disse ele. "No Google, todos os funcionários usam esse tipo de proteção para acessar e-mails, ferramentas de trabalho e tudo o mais. Há um grande espectro entre o total anonimato e a autenticação absoluta e e precisamos dos dois. Eu gosto de recursos fortes de autenticação, para que ninguém queira se passar por mim".

Como a internet aguentou a demanda?

Pogue levantou também outra questão interessante para os tempos atuais: como a internet está conseguindo aguentar a demanda de tráfego durante a pandemia da COVID-19, que manteve bilhões de pessoas trancadas em casa e que passaram a consumir um volume muito maior de dados, principalmente na forma de streaming de vídeos e músicas?

Berners Lee respondeu: "Tudo se trata de engenharia.Quando eu comecei a usar a internet no CERN, a velocidade de transmissão de dados era de 300 bits/ segundo. Agora, eu posso conseguir conexões de 300 bilhões de bits/segundo. Nada, até hoje, conseguiu evoluir bilhões de vezes mais rápido, como acontece com a internet. Nem trens, carros, nada. Então, parabéns aos engenheiros que conseguiram proporcionar esse design de crescimento massivo em uma escala inacreditável".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.