Apple lança hotsite para rebater acusações de monopólio da App Store

Por Felipe Ribeiro | 30 de Maio de 2019 às 12h03
Tudo sobre

Apple

Saiba tudo sobre Apple

Ver mais

Em uma manobra absolutamente discreta, a Apple lançou um novo site nesta semana para explicar - ou provar, como queiram - que a App Store, a única maneira que os usuários de iPhone e iPad possuem para instalar aplicativos de maneira oficial, também acolhe e estimula o uso de aplicativos concorrentes. Uma subseção na página se chama “Uma loja que recebe a concorrência”, que destaca aplicativos que competem com o software e os serviços integrados da Apple, incluindo o Spotify.

O endereço, que está no ar desde quarta-feira (29), é outra resposta ao Spotify e à pré-candidata à presidência dos Estados Unidos, a democrata Elizabeth Warren, que acusaram a Apple de favorecer seus próprios aplicativos em vez de aplicativos de terceiros. A Maçã, inclusive, perdeu um caso na Suprema Corte envolvendo concorrência na App Store.

Os desenvolvedores de aplicativos que criaram ferramentas para controlar o vício em dispositivos e o tempo de tela afirmaram recentemente que acreditavam que a Apple estava direcionando seus aplicativos para serem removidos da loja porque competem com o Screen Time, um recurso introduzido recentemente no iOS. A Apple enfrenta uma queixa antitruste da União Europeia decorrente desse episódio.

Na época, a Apple informou em comunicado que as remoções estavam relacionadas à privacidade e segurança, e disse que os desenvolvedores usavam mal o software da empresa destinado a outros usos.

“Todos os desenvolvedores têm a oportunidade de ter uma rejeição revisada pelo conselho de revisão de aplicativos. E a equipe da App Review faz cerca de mil chamadas por semana para desenvolvedores para ajudá-los a diagnosticar e resolver quaisquer problemas que levaram à rejeição para que eles possam colocar seus aplicativos na App Store", dizia o comunicado.

Os desenvolvedores de aplicativos também reclamaram das taxas de 15% a 30% que a Apple cobra pelos pagamentos processados ​​pela App Store. “Como qualquer mercado justo, os desenvolvedores decidem o que querem cobrar de um conjunto de níveis de preços. Apenas coletamos uma comissão quando um bem ou serviço digital é entregue por meio de um aplicativo”, argumentou a Maçã.

O site diz, também, que 40% dos aplicativos são rejeitados por semana através do processo de aprovação da Apple, que depende de revisores humanos, principalmente devido a erros de software e preocupações com privacidade. A página listou uma série de aplicativos disponíveis na App Store que a Apple diz que competem com seus próprios aplicativos, como Music, Notes e FaceTime.

A página foi postada uma semana antes de a companhia hospedar milhares de desenvolvedores para sua conferência anual em San Jose. A Apple disse que, no ano passado, os desenvolvedores fizeram US$ 120 bilhões (R$ 476 bilhões) em sua plataforma.

Fonte: CNBC

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.