10 coisas que você fazia nos primórdios da internet e não faz mais

Por Natalie Rosa | 05 de Julho de 2019 às 13h37
Reprodução

A internet no Brasil existe há mais de 30 anos, mas ela começou a entrar em nossas casas há menos tempo (em meados dos anos 1990) e rapidamente evoluiu. Nos primeiros anos em que pudemos ter um computador e, finalmente, internet dentro de nossas casas, não havia tanta coisa para fazer online como hoje, mas mesmo assim passávamos horas e horas "surfando na web". Ah! Mas sempre nos horários em que a discagem era mais barata, né?

Quando as operadoras começaram a disponibilizar o serviço de internet discada, nosso tempo era limitado pois a cobrança era feita por pulsos, então o valor era semelhante a uma ligação telefônica — exceto de madrugada e nos fins de semana, quando éramos cobrados apenas por um pulso a partir das 14h do sábado até as 23h59 do domingo. Naquela época, a conexão era feita através de um provedor que assinávamos e um discador, que precisava ser instalado via CD. Ufa.

Finalmente conectados à internet, queríamos nos divertir. Jogos, música, bate-papo, amigos, clipes, pesquisa, entre muitas outras coisas faziam a gente passar bastante tempo na frente do computador. Várias dessas ações e atividades que faziam parte da experiência encantadora de acessar a internet não existem mais por terem evoluído e, principalmente, facilitado muito a nossa vida.

Pensando nisso, criamos uma lista com 10 coisas que faziam parte do nosso dia a dia nos primórdios da internet e que hoje só trazem muita nostalgia.

1. Fazer buscas no Cadê

Google? Que nada! A moda era fazer buscas no Cadê.

Criado em 1995, o Cadê foi o primeiro buscador brasileiro que se popularizou e permaneceu vivo durante um bom tempo. Lá, fazíamos pesquisas para encontrar novos sites, informações para trabalho da escola, curiosidades, entre muitas outras buscas.

Página inicial do Cadê (Imagem: Reprodução)

Algum tempo depois, o Cadê foi vendido para o Yahoo e se hoje você acessar "cade.com.br, vai acabar parando no concorrente do Google.

2. Conectar-se com os amigos no Orkut

Muitas amizades foram sustentadas e também nascidas no Orkut. A rede social foi, provavelmente, um dos sites mais acessados em meados dos anos 2000.

Uma das comunidades do Orkut (Imagem: Reprodução)

Lá, podíamos adicionar nossos amigos, enviar depoimentos mostrando o quanto amávamos eles, entrar em comunidades para conhecer pessoas com os mesmos gostos, deixar mensagens (ou scraps) na página dos outros, adicionar 12 fotos em nosso álbum, entre muitas outras coisas.

O Orkut foi evoluindo com o passar do tempo, ganhando novos layouts, recursos e até mesmo aceitando mais de 12 fotos, veja só. Com a chegada do Facebook, o Orkut acabou caindo no esquecimento, até que foi tirado do ar. O criador até tentou emplacar outra rede social, o Hello, mas também não deu muito certo.

3. Usar CD de discador

Para nos conectarmos à internet, precisávamos de um discador. Antes que pudéssemos fazer o download desse programa, eles chegavam em nossas casas em forma de CD, muitas vezes distribuídos em revistas ou como brindes de alguma coisa. Nesse caso, era comum "ganharmos" uma determinada quantidade de horas "grátis" para navegar à vontade.

CD da AOL (Imagem: Reprodução)

Tempos bons, mas trabalhosos, que não existem mais. Hoje, para acessar a internet, precisamos apenas comprar um modem/roteador e assinar a banda larga com uma operadora.

4. Ouvir o som da conexão do modem

Ainda falando da conexão, existe um som que era emitido no momento em que nosso computador se conectava à internet. Mas com a chegada da internet banda larga, ele nunca mais foi ouvido. Se você é bem novo, provavelmente não sabe do que estamos falando. Para quem é das antigas, certamente lembra com saudade desse sonzinho aqui:

Muitas vezes, esse som era tão alto que era preciso tentar abafar a caixa de som para que os pais não descobrissem que você estava tentando se conectar escondido, fora do horário de pulso único. É, acessar a internet naquela época também era uma grande aventura.

5. Transmissão de vídeo online pelo RealPlayer

Antes mesmo de existir o YouTube e a sua infinidade de conteúdos, algumas pessoas usavam o RealPlayer para fazer transmissões de vídeo online. Mas, com a internet da época, tentar fazer isso parecia muito desafiador. Era preciso muito sangue frio para aguentar a lentidão, quedas de conexão e baixa qualidade do áudio e do vídeo.

Uma das primeiras intefaces do RealPlayer (Imagem: Reprodução)

6. Diário fotográfico com Fotolog

Quando ainda nem pensávamos em aplicativos, muito menos capazes de fazer o que o Instagram faz hoje, as nossas fotos eram compartilhadas pela internet usando o Fotolog — que surgiu antes do Orkut, vale lembrar. Com direito a uma foto por dia, era lá que os usuários contavam como tinha sido o dia, o quanto amavam aquela pessoa da foto, e pediam também por comentários. Era lei: você tinha que comentar nas fotos dos seus amigos.

Fotolog da Mari Moon (Imagem: Reprodução)

O Fotolog se tornou tão popular no Brasil que rendeu até mesmo uma das primeiras influenciadoras do Brasil, a Mari Moon. O serviço também contava com assinatura para que os mais populares pudessem compartilhar mais fotos e receber mais comentários — a Gold Camera.

Há algum tempo o Fotolog tentou fazer um grande "comeback", mas parece que ninguém reparou que ele saiu do ar — de novo.

7. Ouvir música no Grooveshark

Antes do Spotify, Deezer ou Apple Music, o método usado para ouvir música online era o Grooveshark. A plataforma contava com uma biblioteca vasta, mas digamos que não era muito legal, no sentido legislativo da palavra.

Uma das últimas interfaces do Grooveshark (Imagem: Reprodução/The Verge)

Foram 10 anos no ar oferecendo música gratuita, mas gravadoras e distribuidoras se uniram para derrubar a Escape Media, empresa responsável pelo serviço. A acusação era de distribuição ilegal de conteúdo protegido por direitos autorais, ou seja, um crime.

Mas ainda bem que as plataformas de streaming de música voltaram e se popularizaram, assim é possível ouvir música gratuita tanto no computador quanto no smartphone, mesmo que tenham vários anúncios entre elas.

8. Baixar música no Kazaa

Falando em baixar música, o software mais popular para isso antigamente era o Kazaa, depois da "morte" do Napster. Desenvolvido no esquema peer-to-peer (P2P), no Kazaa você podia fazer o download de músicas, clipes, álbuns completos, entre muitos outros arquivos. Na época, era uma grande revolução, mas com o surgimento de serviços de streaming e a maior facilidade para se ouvir música online, ele acabou se tornando desnecessário.

Interface do Kazaa (Imagem: Reprodução)

Além disso, o Kazaa também passou por conflitos com a indústria fonográfica, tentando se reinventar justametne como uma plataforma de streaming, mas não deu certo. O Kazaa morreu e deixou apenas seu legado.

9. Conversar no MSN Messenger

Antes do WhatsApp, as conversas aconteciam pelo MSN Messenger, que roubou o lugar do ICQ. Com a ajuda do plugin MSN Plus, o programa permitia personalização do texto, o uso de stickers, GIFs, você podia transformar fotos em emoji, usar Winks, chamar atenção, aparecer offline, colocar a música que você estava ouvindo no seu "status", entre diversos recursos que só tornavam o uso da plataforma mais divertido.

O programa trocou a frase "me passa seu número de celular" para "me passa o seu MSN", sendo tão popular quanto o Orkut.

Interface do MSN Messenger (Imagem: Reprodução)

O MSN Messenger, que depois virou Windows Live Messenger, resistiu por muito tempo, mas não o suficiente para que vencesse os aplicativos atuais, então também acabou ficando apenas em nossa memória.

10. Ter um e-mail do Bol

Pioneiro no oferecimento de e-mails grátis no Brasil, praticamente todo mundo que tinha acesso à internet possuia um email do Bol nos anos 1990. Segundo dados da empresa de 2017, até esta data ainda existiam mais de 4,1 milhões de contas ativas no serviço. Mas você conhece alguém que ainda usa?

Página de cadastro de email do BOL (Imagem: Reprodução)

O Bol foi lançado em 1996 e oferecia não só serviço de e-mail, mas também salas de bate-papo e páginas de conteúdo informativo, como tempo, humor, educação, futebol, entre muitos outros. Anos depois, se tornou parte do UOL, que surgiu na mesma época e já era uma potência da internet brasileira desde seus primórdios.

Está se sentindo nostálgico? Então deixe aqui nos comentários o que mais você incluiria nesta lista e do que mais sente saudades deste "tempo bom que não volta nunca mais"!

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.