IBM e Museu do Amanhã lançam experiência pioneira em Inteligência Artificial

Por Joyce Macedo | 12 de Dezembro de 2017 às 20h15
Guilherme Leporace
Tudo sobre

IBM

Em 2017, a IBM completa 100 anos de Brasil e o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, comemora dois anos de vida. Para celebrar o ano emblemático, uma nova parceria entre a gigante norte-americana e a instituição de artes e ciências resultou em uma experiência interativa chamada IRIS+.

A novidade é uma espécie de evolução da já conhecida assistente digital do Museu, a IRIS. Enquanto a primeira versão apenas registrava em um cartão aquilo que o visitante via na exposição, o pulo do gato da nova experiência baseada em tecnologia cognitiva hospedada na nuvem é que ela também faz perguntas.

A nova experiência ainda depende do antigo cartão para ser acionada, mas a diferença é que ela só aparece no final do percurso do Museu, onde a IRIS ganha voz por meio de seis totens de autoatendimento.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

IRIS+ conversa com os visitantes do Museu do Amanhã para entender suas preocupações (Foto: Guilherme Leporace)

I.A. questionadora 

De acordo com Marcelo Porto, Presidente da IBM Brasil, este tipo de aplicação da tecnologia é pioneira. Para desenvolver a IRIS+, foi utilizada a API Watson Conversation Service (WCS), hospedada na IBM Cloud. Mas, apesar da IBM ser responsável pela tecnologia embarcada, quem fez toda a curadoria do conteúdo foram os profissionais do Museu do Amanhã.

Para conseguir fazer perguntas relevantes, a aplicação foi treinada para questionar e estabelecer um diálogo com os visitantes da instituição sobre os dois eixos temáticos principais do Museu do Amanhã: sustentabilidade e convivência.

Depois de passear por diversas mostras que alertam para os perigos das mudanças climáticas, da degradação ambiental e do colapso social, é comum que os visitantes do Museu do Amanhã sintam-se preocupados com o futuro. Para ilustrar melhor essa questão, Ricardo Piquet, diretor-presidente do Museu do Amanhã, disse que 93% das pessoas que visitam a instituição saem impactados e com vontade de mudar algo. E é aqui que entra o grande papel da IRIS+: estimular o engajamento social de quem passa pela exposição.

Marcelo Porto, Presidente da IBM Brasil, e Ricardo Piquet, diretor-presidente do Museu do Amanhã (Foto: Guilherme Leporace)

Depois de estabelecer um diálogo com o visitante e entender quais são suas maiores preocupações e vontades, a IRIS+ indica organizações, fundações e instituições no Brasil relacionadas ao tema escolhido que foram cadastradas previamente na plataforma pela equipe do Museu.

Em contrapartida, as organizações também informam à curadoria do Museu quantas pessoas chegaram até elas por meio da experiência com a IRIS+, criando indicativos do quanto os serviços cognitivos na nuvem podem ajudar no engajamento no mundo real.

O Canaltech teve a oportunidade de testar a novidade em primeira mão, mas a IRIS+ estará aberta ao público geral a partir desta sexta-feira (15). no Museu do Amanhã, que fica localizado na Praça Mauá, no Centro do Rio de Janeiro. 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.