IA pode ser peça-chave no combate à disseminação da COVID-19

IA pode ser peça-chave no combate à disseminação da COVID-19

Por Wagner Wakka | 18 de Março de 2020 às 14h46
pixabay

Empresas de tecnologia estão se reunindo para discutir sobre como podem trabalhar para ajudar na contenção da COVID-19. Na semana passada, executivos da Amazon, Google, Microsoft, Apple, Facebook tiveram reunião com a Casa Branca para adotar medidas conjuntas. As primeiras já foram a mudança de postura em redes sociais, mas as gigantes querem usar também inteligência artificial no processo.

O foco está em levantamento de dados. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ferramentas de big data e automação de dados foram cruciais para que a China pudesse tentar controlar a propagação do vírus da COVID-19.

Uma das primeiras iniciativas neste sentido divulgadas pelo Facebook foi fornecer dados para pesquisas sobre o tema em universidades. A empresa está trabalhando com a School of Public Health, de Harvard, e a National Tsing Hua University, em Taiwan, compartilhando dados de mobilidade de forma anônima e mapas de densidade populacional. O objetivo é “ajudar em modelos de previsão para a disseminação do vírus”, informa a companhia.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Além disso, as empresas também estão colaborando com inteligência artificial para criar possíveis remédios, se não contra o SARS-CoV-19, o vírus da doença, ao menos para amenizar os sintomas para diminuir riscos.

Uma companhia chamada Excienta, do Reino Unido, já criou a primeira droga, que ainda está em testes, com auxílio de algorítimos de inteligência artificial. No total, foram 12 meses de desenvolvimento, contra a média de 5 anos convencionais.

O sistema também pode ser usado não só para criar vacinas e antivirais para a COVID-19, mas também buscar em drogas existentes se é possível chegar a alguma variação que funcione neste caso.

Por fim, a inteligência artificial também pode ajudar a manter os ambientes limpos usando robôs. Existe uma série de aparelhos automatizados para limpeza que podem fazer o serviço de modo mais seguro. Robôs podem ser usados para limpar hospitais e ambientes públicos, sem colocar pessoas em risco para fazer o trabalho.

Fonte: BBC, Facebook

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.