Edge TPU é o novo chip de IA da Google voltado para Internet das Coisas

Por Eduardo Hayashi | 26 de Julho de 2018 às 11h14
TUDO SOBRE

Google

O chip Tensor Processing Unit (TPU) surgiu há dois anos como uma solução da Google para tarefas de processamento em data centers da própria empresa, facilitando a execução de tarefas que envolvem recursos de inteligência artificial (IA).

Como uma evolução natural da tecnologia, a gigante das buscas apresentou nesta quinta-feira (26) o novo Edge TPU, um chip com dimensões inferiores as de uma moeda de um centavo de dólar e que foi especialmente desenvolvido para executar trabalhos de aprendizado de máquina em dispositivos de internet das coisas.

A ideia é que os novos componentes sejam integrados a equipamentos de automação em fábricas para realizar tarefas específicas, como, por exemplo, reconhecer objetos específicos em uma imagem. Tal característica torna a tecnologia muito útil em atividades de verificação de controle de qualidade em estabelecimentos industriais.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Novo chip Edge TPU é menor que uma moeda de um centavo de dólar (Imagem: Google)

Enquanto os recursos de internet das coisas facilitam a apuração e análise de dados através da web, o aprendizado de máquina oferece uma proposta mais segura para gerenciar tempos de inatividade para operar todos os maquinários de forma mais eficiente e rápida.

Mercado disputado

A Google não é a única que investe no mercado de processadores de IA voltados para fábricas. Gigantes como a ARM, a Qualcomm e a Mediatek também já oferecem suas próprias soluções com chips totalmente voltados para a automação e para a inteligência artificial, enquanto as poderosas GPUs da Nvidia atendem ao mercado de algoritmos de treinamento.

O que pode fazer a diferença para a gigante nas buscas nesta competição são suas próprias soluções de armazenamento em nuvem, que, além de serem úteis para guardar informações, podem ser utilizados para o desenvolvimento de algoritmos por meio das TPUs e a respectiva inferência dos dados obtidos com o chip Edge TPU.

Além disso, há grandes chances de a Google utilizar a TensorFlow para criar seus próprios softwares de aprendizado de máquina. Todos esses elementos podem oferecer vantagens de mercado óbvias, uma vez que a verticalização de serviços garantirá uma integração maior entre as diferentes partes do sistema em um ecossistema totalmente oferecido pela Google.

Para impulsionar a adesão dos chips Edge TPU, a Google também informou que disponibilizará um kit para desenvolvedores, ainda em versão beta, que deve ser lançado de forma definitiva até o final do mês de outubro.

Fonte: TheVerge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.