Competição por melhor IA deve levar à Terceira Guerra Mundial, diz Elon Musk

Por Redação | 04 de Setembro de 2017 às 11h52

Esqueça a Coreia do Norte e a constante ameaça de suas bombas. Para Elon Musk, empreendedor, bilionário e fundador da Tesla Motors e da SpaceX, é a competição entre países em busca da melhor e mais avançada inteligência artificial que vai nos levar a uma Terceira Guerra Mundial.

Aqui, também, não estamos falando de um cenário como o dos filmes de ficção científica, em que as máquinas tomam conta de tudo. Na realidade, o que o empreendedor indica é que o combate ainda será feito por humanos, mas por causa das inovações tecnológicas criadas pelos países rivais, que, pouco a pouco, podem começar a afetar soberanias e acordos regionais.

O comentário de Musk, feito pelo Twitter, vem em repercussão à fala do presidente russo Vladimir Putin. Durante uma palestra para estudantes para marcar o retorno às aulas, transmitida online na última sexta-feira (01) para milhares de escolas do país, o líder afirmou que o país com a inteligência artificial mais avançada também será aquele que dominará o mundo. Ele citou essa tecnologia como o futuro da humanidade.

E é justamente aí que a coisa fica complicada. Entre os países que estão na vanguarda do desenvolvimento desse tipo de tecnologia estão, justamente, Estados Unidos e China, nações que cooperam em diversos aspectos, mas que nem sempre estão na mesma página quando o assunto são as políticas internacionais. Outros nomes que estão nessa corrida são Índia e a própria Rússia.

Os comentários também ecoam a uma petição feita por Musk e outros 160 líderes do mercado de tecnologia, que enviaram à ONU um pedido para que seja criada uma regulação para o uso de inteligência artificial em materiais bélicos. Mais uma vez, a ideia não seria impedir uma possível insurreição das máquinas, mas sim normatizar a utilização de drones, equipamentos de vigilância e outros dispositivos que possam ser controlados de maneira remota, sem interferência humana.

Por mais que as afirmações de Putin tenham sido o estopim para os comentários de Musk, o bilionário pode encontrar no líder russo um aliado, pelo menos no campo das ideias. Isso porque, em sua fala, o presidente também afirmou sua intenção de não ver o desenvolvimento de inteligências artificiais monopolizado por uma única nação e garantiu que, se o país for o responsável pela vanguarda dessa área, compartilhará seu conhecimento com o restante do mundo.

A ver se as promessas realmente serão cumpridas, e se, acima de tudo, as máquinas inteligentes realmente não serão nossos piores inimigos em um futuro que parece cada vez mais próximo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.