Sistema de rastreamento de Apple e Google traz grandes problemas constitucionais

Sistema de rastreamento de Apple e Google traz grandes problemas constitucionais

Por Rui Maciel | 14 de Abril de 2020 às 12h45
9to5Mac

Na última sexta-feira (14), Google e Apple anunciaram uma parceria para criar uma tecnologia de rastreamento dos contaminados pela COVID-19 a partir da tecnologia Bluetooth. O sistema seria usado para ajudar governos e agências de saúde a reduzir a propagação do vírus e seria usada apenas sob o consentimento do usuário. No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que a ferramenta apresenta "grandes problemas constitucionais para muita gente".

O presidente fez essa observação na última segunda-feira (13), durate coletiva de imprensa na Casa Branca. Ao discutir como a tecnologia de ambas as empresas poderia ser utilizada, Trump afirmou: "Temos mais um problema constitucional do que técnico nessa solução. Mas tomaremos uma decisão sobre ela. Isso é algo que discutiremos com muitas pessoas nas próximas quatro semanas. Essa seria uma maneira muito precisa de fazê-lo, já que muitas pessoas têm problemas com isso ".

No entanto, Trump não quis detalhar quais problemas constitucionais específicos a solução desenvolvida por Google e Apple traria. As empresas afirma que o uso desta tecnologia não coleta informações de identificação pessoal e exige autorização expressa por parte dos usuários.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Entenda o que é a tecnologia

A tecnologia que Google e Apple pretendem oferecer conta com a criação de um sistema de rastreamento de contatos, acionado via Bluetooth, para detectar a disseminação da COVID-19. A ideia básica seria alertar as pessoas caso elas tenham entrado em contato com alguém infectado, mas o mesmo não seria identificado para outros usuários (veja gráfico abaixo)

O esforço conjuto das duas empresas resultará no lançamento de uma solução com APIs (sigla em inglês para Interface de Programação de Aplicações) para auxiliar na ativação do rastreamento de contatos. O segundo passo será uma ferramenta que rodará tanto em smartphones Android, quando no iOS.

Em maio, as duas empresas lançarão APIs que permitem a interoperabilidade entre dispositivos dos dois sistemas operacionais, usando aplicativos de autoridades de saúde pública. Esses apps oficiais estarão disponíveis para os usuários baixarem em suas respectivas lojas virtuais - Play Store (Google) e App Store (Apple).

A partir daí, o objetivo será habilitar uma plataforma mais ampla de rastreamento de contatos baseada em Bluetooth, incorporando essa funcionalidade em seus sistemas operacionais. Segundo comunicado enviado pelo Google, essa é uma solução mais robusta que uma API e permitiria a participação de mais indivíduos - se eles optarem por participar. Além disso, o recurso permitirá uma interação com um ecossistema mais amplo de aplicativos e autoridades governamentais de saúde.

Fonte: Business Insider  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.