Facebook desenvolve internet sem fio alternativa e robô conector de fibra óptica

Facebook desenvolve internet sem fio alternativa e robô conector de fibra óptica

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 07 de Outubro de 2021 às 17h20
Facebook

Levar acesso à internet a áreas remotas é um dos desejos do Facebook já há algum tempo. Como parte desse esforço, o grupo de Conectividade da empresa trabalha em alguns projetos: um cabo submarino que vai conectar a Europa aos EUA, um robô que instala fibra óptica (o Bombyx, cujo nome vem do latim e significa bicho-da-seda) e um sistema que oferece internet de alta velocidade pelo ar, o Terragraph.

Os estudos com o Terragraph começaram em 2015 e os que envolvem o Bombyx, em 2018 — Ambas as soluções buscam baratear a oferta de internet. “Quase metade do mundo ainda não tem acesso à internet”, diz Mike Schroepfer, CTO do Facebook.

Imagem: Divulgação/Facebook

Dan Rabinovitsj, vice-presidente de conectividade do Facebook aponta que o preço do acesso é a principal razão para esse abismo digital. “Especialmente em países em que é preciso oferecer internet a menos de US$ 1 por dia. Já ajudamos a acelerar o acesso de mais de 300 milhões de pessoas e esperamos permitir conectividade de alta qualidade a preços acessíveis para o próximo bilhão.”

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Robô Bombyx

O Bombyx pode ser usado em qualquer localidade que tenha estruturas de fornecimento de energia. Ele é parte de um sistema que instala fibra óptica em cabos de energia aéreos em vez de ter de precisar enterrá-los. O processo é quase totalmente automático. O projeto passou por atrasos com a chegada da pandemia, mas agora já está sendo negociado com distribuidoras de energia.

Imagem: Divulgação/Facebook

Elegante e estiloso, o pequeno robô é instalado na linha de energia e, enquanto a percorre, enrola fibra óptica nela. Como a fibra óptica é muito sensível, o material é reforçado com Kevlar, que aumenta sua resistência e permite que suporte o calor produzido pelas linhas de energia de média voltagem. Além disso, essa fibra é 10 vezes menor e mais leve do que um cabo regular.

Segundo o Facebook, o robô foi aprimorado para poder se equilibrar nos fios. O Bombyx leva 24 fios de fibra óptica — inicialmente, ele levava 96, mas a companhia descobriu que um cabo pode levar internet a até 1 mil residências nas proximidades. Segundo o Facebook, o Bombys será capaz de instalar mais de um quilômetro de fibra óptica, passando por dezenas de obstáculos intermediários, em uma hora e meia.

Sistema Terragraph

Já o Terragraph é um sistema mesh Wi-Fi na faixa de 60 GHz que usa nós em estruturas já existentes, como postes e semáforos. Com isso, é capaz de oferecer velocidades semelhantes às disponíveis em redes de fibra óptica — só que pelo ar. “Com isso, qualquer um pode implantá-lo sem ter de obter uma licença”, aponta Yael Maguire, vice-presidente de tecnologia do Facebook. “Isso o torna bastante acessível.”

O Terragraph usa o padrão 802.11ay definido pela WiFi Alliance. Desenvolvido em parceria com a Qualcomm, já está disponível em Anchorage, no Alasca (adotado pela Cambuim Networks), e em Perth, na Austrália, entre outras localidades. “Levar fibra para a ultima milha é um dos maiores desafios. O que explica porque somente 17% das residências do mundo têm conexões por fibra óptica”, destaca Yael Maguire.

Imagem: Divulgação/Facebook

Ao Convergência Digital, o Facebook informou que ainda não há detalhes sobre a implantação do Terragraph no Brasil. A empresa diz, porém, que “nossos parceiros OEM estão trabalhando com provedores de serviços locais para trazer o Terragraph para a região”.

O interesse do Facebook nesse segmento tem preocupado os especialistas em privacidade. Rabinovitsj ressalta que o Facebook não é um provedor de internet e que as tecnologias desenvolvidas nessa área têm sido licenciadas gratuitamente. Ele admite, no entanto, que a companhia se beneficia com o maior compartilhamento de dados pelo mundo.

Peter Micek, conselheiro da Access Now, disse à Wired que se preocupa justamente com esse aspecto dos projetos. “Tudo o que eles tocam parece ter o objetivo de minerar dados” diz. “Eu me preocuparia com qualquer empresa que quer controlar todas as camadas do acesso à internet, mas especialmente com o Facebook, que há quase duas décadas mostra que tudo tem de ser do jeito deles.”

Fonte: Convergência Digital, Wired

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.