Como entender a nomenclatura das placas de vídeo Nvidia GeForce e AMD Radeon

Por Redação | 27 de Novembro de 2017 às 08h38
Tudo sobre

AMD

Frequentemente, ao adquirir um novo computador ou montar um por conta própria, nos deparamos com o dilema da escolha de um dos principais componentes que impactam a performance da máquina: a placa de vídeo. Ela é a responsável pela qualidade e rapidez na renderização dos gráficos e oferece diversos níveis de performance diferentes, que devem ser adequados ao uso que a máquina se destina.

As placas de vídeo são parte importante do orçamento de uma nova máquina e podem representar um gasto desnecessário quando escolhidas de forma inadequada para o uso que o computador se destina. Se o uso pretendido for um computador para trabalho em escritório, ou para desfrutar games com gráficos realistas e modernos ou ainda para uso profissional de alta performance, a escolha da placa de vídeo deve ser adequada ao público que se destina.

O Canaltech já abordou este assunto em 2012 aqui, mas como já se passaram cinco anos e é hora de atualizar e trazer ainda mais informações, conectadas às inovações que o mercado apresentou nesse tempo.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

As duas maiores fabricantes de placas de vídeo do mercado, a Nvidia e a AMD, trazem na nomenclatura de seus produtos uma sopa de letras e números que deveriam facilitar a identificação de informações como a época que aquele modelo foi desenvolvido, a que público alvo se destina e para quais usos foi projetada.

O problema é que os códigos que resultam dessa nomenclatura não são intuitivos como deveriam ser, gerando a necessidade de algum grau de explicação. Mas, com as informações trazidas aqui, vai ser muito mais fácil escolher qual das placas de vídeo disponíveis no mercado se adequa mais ao seu orçamento e necessidade.

Nvidia GeForce 

Nvidia, responsável pelas placas GeForce

A Nvidia trabalha com o seguinte esquema de nomenclatura para suas placas da linha GeForce:

  • Prefixo: Determina se aquele modelo é adequado ao público gamer, nas placas GTX, ou se deve ser usada apenas para fins mais leves, como em escritório, nas placas GT;
  • Geração: Indicativo de qual geração aquela placa pertence. Quanto maior o número, mais recente é seu desenvolvimento;
  • Performance relativa: É a potência da placa dentro daquela família. Um número menor indica uma placa mais fraca, para fins mais cotidianos, como uso em escritório. Um número maior indica uma performance superior, mais voltada para renderização de gráficos mais complexos, taxa de quadros maior ou performance em múltiplos monitores, indicada para trabalhos mais detalhados com gráficos;
  • Revisão: Revela se aquele modelo é o único modelo com aquele grau de performance dentro do grupo. Pode ser 0, caso seja o primeiro modelo com um determinado nível, ou 5, caso não seja o primeiro modelo com aquele grau de performance dentro do grupo ao qual pertence;
  • Sufixo: Revela características específicas da placa.
Tabela explicativa das placas de vídeo GeForce, da Nvidia

Vamos ver como isso tudo funciona na prática com os exemplos abaixo:

Nvidia GeForce GTX 980 Ti

GTX 980 Ti, da Nvidia
  • Prefixo: O uso do prefixo GTX indica melhor performance para jogos e uso profissional de gráficos.
  • Geração: É um modelo da série 900 da família GeForce, que começou a ser fabricada em 2014.
  • Performance relativa: Este é um modelo de alta performance dentro da nona geração, com performance relativa 8.
  • Revisão: Não é um modelo revisto para o mesmo grau de performance de outra placa já existente na série 900.
  • Sufixo: O sufixo Ti é a nomenclatura utilizada para determinar que este modelo é de alta performance, voltado para o público que necessita de maior desempenho gráfico, como profissionais que atuam com artes gráficas e gamers de alta performance.

Nvidia GeForce GT 210

GT 210, da Nvidia
  • Prefixo: O prefixo GT indica que esse modelo apresenta performance mais orientada para uso comum, não sendo adequado para profissionais que trabalham com gráficos avançados ou gamers que se dedicam a jogar títulos que requerem renderização rápida.
  • Geração: É um modelo da série 200, segunda geração da família GeForce, que começou a ser fabricada a partir de 2008.
  • Performance Relativa: De performance relativa 2, é um modelo de baixa performance, orientada ao usuário geral.
  • Revisão: Não é um modelo revisto para o mesmo grau de performance de outra placa já existente na série 200.
  • Sufixo: Como esse modelo não possui nenhum sufixo, isso significa que ele não possui nenhuma característica especial.

Então, por regra geral, as placas da família GeForce da Nvidia podem ser comparadas mais facilmente assim:

Modelos com prefixo GT são mais baratos e menos potentes se comparados aos modelos GTX, indicados para jogos. Então leve em conta o prefixo na hora de escolher a placa mais adequada para a utilização que pretende dar à máquina.

Quanto mais avançada for a geração, mais cara e mais potente vai ser a placa, mas isso determina apenas a idade do componente.

O número mais importante é o nível de performance, que aparece em segundo lugar no código que dá nome à placa de vídeo: Quanto mais alto (7, 8 ou 9), melhor será a performance. Mas também sobem os preços dos produtos, assim como o consumo de energia e o calor gerado pelos componentes, gerando necessidade de sistemas de refrigeração mais adequados, o que também encarece o orçamento final. Um nível mais baixo de performance relativa resulta numa placa mais barata, que opera em temperaturas menores e consome menos energia, mas oferece potência mais limitada.

O número da revisão indica se aquela placa foi lançada como única a apresentar determinado nível de performance relativa dentro de sua família. É utilizado 0 para placas que não têm irmãs de performance, enquanto se utiliza 5 para placas que foram lançadas quando já havia outras opções com o mesmo desempenho dentro da série. Esse dado só é relevante se houver alguma revisão para o modelo que você procura. De modo geral, revisões trazem melhorias no funcionamento geral da placa, sem que isso signifique ganho de performance.

Por fim, o sufixo pode trazer informações mais diversas sobre a placa. Um modelo que tenha o sufixo Ti é mais potente que um modelo de mesma numeração sem nenhum sufixo. Entretanto, o sufixo Ti indica uma placa de vídeo mais fraca que um modelo da mesma numeração, porém que conta com o sufixo Ti Boost. Outro sufixo possível é o M, que indica que aquele determinado modelo é utilizado em laptops ou tablets, não sendo adequado ao uso em computadores de mesa.

Com isso, concluímos que a diferença de performance não é linear com a numeração utilizada na nomenclatura das placas de vídeo GeForce desenvolvidas pela Nvidia. Um modelo 780 será definitivamente mais poderoso que um modelo 910, embora o segundo modelo seja mais novo, mas de menor performance. Entretanto, se compararmos um modelo 780 com um modelo 960, apesar da performance relativa ser inferior, pode haver ganhos no desempenho por ser uma placa de desenvolvimento mais recente.

AMD Radeon

AMD, responsável pelas placas Radeon

As placas da família Radeon, desenvolvidas pela AMD, têm regras semelhantes, mas uma nomenclatura completamente diferente só para deixar o consumidor final completamente perdido.

A nomenclatura das placas Radeon segue a seguinte anatomia:

  • Prefixo: As séries mais recentes trabalham com os prefixos R5, direcionadas ao usuário comum; R7, direcionada ao público gamer; e R9, orientadas aos profissionais que atuam com gráficos de alta performance e gamers profissionais. A série 400, a mais recente, utiliza RX para todos os públicos.
  • Mobile: As placas que têm seus nomes compostos com a letra M são orientadas ao uso em laptops e tablets. Quando o nome da placa não contém nenhum M, o modelo é para uso em computadores de mesa.
  • Geração: As placas AMD Radeon estão agora na série 400, então vamos ter aqui os números 2, 3 e 4 simbolizando a geração. Quando maior o número que aparecer no campo de geração, mais recente é a fabricação daquele modelo.
  • Performance relativa: Semelhante à série GeForce da Nvidia, a AMD Radeon utiliza numeração para definir a performance relativa de suas placas de vídeo: quanto maior for o número, melhor será a performance. Também será maior a necessidade de energia, o aquecimento gerado pela placa e o valor do hardware.
  • Revisão: Também segue a mesma regra já vista na Nvidia: pode ser 0, caso seja o primeiro modelo dentro da série a oferecer determinado nível de performance relativa; ou 5, caso não seja o primeiro modelo com aquele grau de performance, o que geralmente significa a melhoria de algum desempenho, sem implicar em uma mudança na performance relativa da placa.
  • Sufixo: Modelos que terminam com X têm performance superior aos modelos do mesmo número sem o X, semelhante ao uso da nomenclatura Ti nas placas de vídeo GeForce da Nvidia.
Tabela explicativa das placas de vídeo Radeon, da AMD

Vamos ver como isso tudo funciona na prática com os exemplos abaixo:

AMD Radeon R9 390X

AMD Radeon R9 390X
  • Prefixo: R9 é o prefixo utilizado para placas de altíssima performance, indicadas para profissionais que atuam com gráficos e gamers que jogam títulos com grande necessidade de renderização.
  • Mobile: A letra M não consta na nomenclatura, indicando que o modelo se destina a computadores de mesa.
  • Geração: Esta placa pertence à série 300, terceira geração da AMD Radeon.
  • Performance relativa: O número 9 indica que a performance desta placa é altíssima, portanto o custo e o consumo dela também são maiores.
  • Revisão: O número 0 indica que este modelo não é uma revisão.
  • Sufixo: A presença da letra X no final do nome da placa indica que este modelo é superior em performance se comparado ao modelo R9 390.

AMD Radeon R5 M350

AMD Radeon R5 M350
  • Prefixo: O uso do prefixo R5 indica um modelo de baixa performance, para fins menos intensos, como o uso doméstico ou em escritórios.
  • Mobile: A letra M está presente, indicando que é um modelo adequado para uso móvel em laptops e tablets, não sendo utilizado em computadores de mesa.
  • Geração: Esta placa pertence à série 300, como a anterior. Faz parte da terceira geração de placas de vídeo AMD Radeon.
  • Revisão: Este modelo não é uma revisão.
  • Sufixo: O X foi omitido do nome da placa, assim indicando que este modelo não possui nenhum tipo de incremento.

Este tutorial excluiu os modelos de placa de vídeo fabricados pela Intel HD Graphics, pois eles, de modo geral, são onboard, ou seja, dividem com o processador principal a função de renderização de vídeo.

Existem também outros modelos, como o Nvidia Quadro, que não cabem na mesma nomenclatura das GeForce aqui abordadas. As Nvidia Quadro são orientadas para aplicações realmente pesadas, como renderização 3D em tempo real ou aplicações voltadas para a área de arquitetura e engenharia, não sendo recomendadas para os usuários domésticos devido ao seu preço e consumo de energia.

Se ficar curioso a respeito de uma placa de vídeo Quadro, pense num nível profissional de animação da Pixar de renderização. Alguns modelos Nvidia Quadro chegam a custar R$ 25 mil.

Caso ainda tenha ficado em dúvida em relação a algum modelo em específico, deixe o seu comentário aqui embaixo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.