Teste criado por startup mostra nível de risco a empresas contra ciberataques

Teste criado por startup mostra nível de risco a empresas contra ciberataques

Por Márcio Padrão | Editado por Claudio Yuge | 01 de Setembro de 2021 às 19h45
Reprodução/master1305/Freepik

A Unxpose, startup de segurança digital para empresas, lançou nesta quarta-feira (1°) um teste online e gratuito para avaliar os potenciais riscos de uma companhia em relação a possíveis ciberataques. A ferramenta chega em um momento importante, com um aumento intenso de ransomwares (sequestros de dados) no Brasil, sendo o caso da Renner só o mais recente. 

Para começar o teste, a Unxpose pede alguns dados da empresa, como nome e sobrenome da pessoa, e-mail corporativo para analisar o domínio (nome de site da companhia), nome, telefone e quantidade aproximada de funcionários da companhia. Em seguida, um relatório é enviado por e-mail detalhando o score de exposição do grupo, com notas para a vulnerabilidade de domínio, do site e da equipe. O conteúdo é gerado com um algoritmo proprietário.

"Nós estamos constantemente calibrando o algoritmo para que a nota seja um retrato preciso da exposição de uma empresa", afirmou Josemando Sobral, CEO da Unxpose, ao site Exame.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O teste é basicamente uma amostra da solução completa de cibersegurança da empresa, que monitora e identifica falhas de segurança e vazamentos de dados de forma contínua. Além do score de exposição, que é atualizado em tempo real, ela mapeia a defesa de servidores, subdomínios, aplicações web e em nuvem. Ainda oferece tutoriais para os funcionários protegerem os dados.

O ataque ransomware à Renner em agosto paralisou parte dos sistemas da rede lojista, incluindo o site oficial, o e-commerce e serviços de pagamento. Ele afetou até o funcionamento das lojas físicas. A situação perdurou por quatro dias, quando todas as plataformas foram restabelecidas.

Fonte: Exame

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.