Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Governo quer classificar motoristas de apps como autônomos

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 29 de Fevereiro de 2024 às 09h04

Link copiado!

Unsplash/Dan Gold
Unsplash/Dan Gold

O governo federal vai apresentar um projeto de lei (PL) para enquadrar motoristas de Uber, 99, inDrive e outros apps como profissionais autônomos. A categoria, no entanto, terá um novo modelo com remuneração atrelada ao salário mínimo, pagamento por hora trabalhada e contribuição para o INSS.

As informações foram reveladas pelo jornal Folha de São Paulo nesta quarta-feira (28). A expectativa é de que o governo anuncie a proposta na semana que vem para que o projeto seja discutido e votado pela Câmara dos Deputados e, depois, pelo Senado. Em caso de aprovação, a regulamentação entrará em vigor em 90 dias.

Pagamento por hora trabalhada

Continua após a publicidade

A iniciativa é um avanço nas tratativas entre governo, empresas e representantes de motoristas de aplicativo, mas também um recuo da tentativa de enquadrar os profissionais em outras categorias, como a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), com registro na carteira de trabalho.

Caso o PL seja aprovado, motoristas serão reconhecidos como autônomos e terão remuneração com base no salário mínimo, com reajuste anual, e pagamento por hora trabalhada de R$ 32,09 (R$ 24,07 pelos custos e R$ 8,02 pelos serviços prestados). Esse valor será aplicado ao aceitar uma viagem no aplicativo.

Os profissionais também terão liberdade para definir quando irão trabalhar. Todavia, existe um teto de 12 horas por dia para garantir a segurança e a saúde do motorista.

Contribuição ao INSS

Além de estipular uma base para o pagamento, haverá a contribuição de 7,5% à previdência. As empresas, por sua vez, vão contribuir com 20% sobre a remuneração mínima do profissional.

Os motoristas e empresas contarão com representação sindical. Contudo, ainda de acordo com o jornal, o projeto que apresenta a nova categoria profissional não atende quem trabalha com motocicletas devido à falta de consenso com as empresas do setor.

Além disso, o descumprimento das regras acarretaria em uma multa de 100 salários mínimos às empresas — ou seja, R$ 141,2 mil segundo os valores de 2024.

Continua após a publicidade

Fonte: Folha de S.Paulo