Tetris: há 31 anos quebrando cabeças

Por Douglas Ciriaco | 08 de Junho de 2015 às 12h52

Talvez você nem faça ideia disso, mas Tetris, aquele famoso puzzle infinito em que você deve encaixar peças para eliminá-las do cenário surgiu na extinta União Soviética (URSS) há mais de 30 anos. A última sexta-feira, dia 6 de junho, marcou o aniversário de 31 anos deste clássico da jogatina eletrônica portátil.

E tudo isso teve início há mais de três décadas no Centro de Computadores da Academia Russa de Ciências, em Moscou, capital do país euroasiático. Alexey Pajitnov, idealizador do game, tirou a ideia para a criação do Tetris dos pentaminós, grupos de peças compostas por cinco quadrados congruentes.

Além de Pajitnov, outra pessoa envolvida no desenvolvimento do game foi Vladimir Pokhilko, um cientista especializado na interação entre humanos e computadores. Ele ajudou a formatar a ideia do colega e foi ainda o primeiro profissional a empregar o Tetris na condução de experimentos de psicologia clínica com pacientes.

A partir de 6 de junho de 1984, Tetris se tornou o primeiro software de entretenimento a ser exportado da União Soviética para o seu principal rival político e militar, os Estados Unidos. No país norte-americano, o game foi licenciado para a Spectrum HoloByte, que o publicou para as plataformas Commodore 64 e IBM PC.

Alexey Pajitnov

Alexey Pajitnov: o criador do Tetris (Foto: Divulgação)

Puzzle infinito e viciante

O nome “tetris” seria uma junção do termo “tetraminó”, ou seja, peças formadas por quatro quadrados congruentes, com “tenis”, o esporte favorito do criador do game. Nele, o que se tem é uma chuva de tetraminós que devem ser organizados de modo a encaixarem uns aos outros, formando assim linhas inteiras que serão eliminadas.

O game não tem fim, pois o jogador enfrenta o desafio até que uma peça encosta o topo da tela. Desde o seu surgimento, ele ganhou inúmeras releituras e foi lançado para praticamente todas as plataformas de jogos eletrônicos existentes, fazendo um sucesso especial em dispositivos portáteis, como minigames, celulares e, mais recentemente, tablets e smartphones.

Uma estimativa feita no início de 2010 concluiu que a franquia oficial de Tetris já havia vendido mais de 170 milhões de unidades, com 70 milhões de cópias físicas e mais 100 milhões de cópias digitais, tornando-se assim o jogo digital mais vendido de todos os tempos.

Tetris

(Foto: Feelgrafix)

História

Enquanto trabalhava no Centro de Computação da Academia Russa de Ciências, Alexey Pajitnov precisava testar as capacidades de um novo hardware. Para isso, ele resolveu escrever um alguns jogos para eles, dentre os quais aquela versão eletrônica dos pentaminós, retirando um quadrado e transformando-os em tetraminós.

Assim, sem muitas pretensões, nascia o Tetris, jogo que logo se tornou popular entre os seus colegas cientistas a ponto de ganhar uma versão para IBM PC criada pelos cientistas Dmitry Pavlovsky e Vadim Gerasimov. Aos poucos, a popularidade do game ia crescendo, tomando conta de Moscou e de outras cidades importantes da URSS.

Em 1986, a empresa britânica Andromeda tentou contatar Pajitnov para licenciar o jogo oficialmente, mas descobriu que ele já estava em negociação com outra companhia, a Spectrum HoloByte. Então, eles negociaram com húngaros responsáveis por outras adaptações do jogo e lançaram um game para IBM PC. Posteriormente, a Andromeda licenciou legalmente a versão de Tetris para Commodore 64, lançada em 1988.

Tetris

Tetris para DOS de 1986, da Andromeda (Foto: Tetris.com)

A HoloByte também “queimou a largada” e lançou uma versão de Tetris antes de finalizar as conversas para licenciamento do game. Em 1987, a empresa liberou no mercado dos EUA um jogo no qual cenas russas eram utilizadas como plano de fundo. O jogo foi um enorme sucesso e, a partir de então, sedimentou o terreno para Tetris fazer história e se tornar um dos jogos mais queridos e populares de todos os tempos.

Tetris da Holobyte

Paisagem russa ao fundo do Tetris da Holobyte, de 1987 (Foto: tetris.wikia.com)

Legado científico

Além de Pajitnov, outra pessoa envolvida no desenvolvimento do game foi Vladimir Pokhilko, um cientista especializado na interação entre humanos e computadores. Ele ajudou a formatar a ideia do colega e foi ainda o primeiro profissional a empregar o Tetris na condução de experimentos de psicologia clínica com pacientes.

O game foi e ainda é objeto de estudo científico em áreas diversas, como teoria da computação, teoria de algoritmos e também psicologia cognitiva. Além disso, o comportamento das peças de tetraminó já serviu de base para pesquisas nas áreas da termodinâmica de nanopartículas.

Fontes: Tetris.com, Ars Technica, EA.com, Daily Telegraph, Atari HQ

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.