Remake de Dead Space vai cortar partes “que não funcionaram”

Remake de Dead Space vai cortar partes “que não funcionaram”

Por Felipe Goldenboy | Editado por Bruna Penilhas | 06 de Agosto de 2021 às 12h46
Reprodução/Electronic Arts

O jogo de terror Dead Space, lançado em 2008, vai ganhar um remake para PlayStation 5, Xbox Series X, Xbox Series S e PC. Enquanto não sabemos a data de lançamento, a Electronic Arts (EA) publicou uma entrevista com os desenvolvedores. Eles afirmaram que querem homenagear o jogo original e que cortarão aspectos que não funcionaram na época.

De acordo com o produtor sênior Philippe Ducharme, o time “vai remover algumas partes que não funcionaram, e garantir que o jogo continue relevante para o público moderno”. Ele não especificou o que será removido, mas garantiu que o estúdio está fazendo tudo “em respeito ao game original”.

Estúdio está usando a mesma engine de Battlefield

Já o diretor de arte Mike Yazijian, que também trabalhou em Dead Space 2, disse que achou seus cadernos antigos com anotações sobre o desenvolvimento do game. “Temos arte conceitual, diretrizes visuais, materiais de origem, anotações sobre as conversas que tivemos, o conhecimento que adquirimos — está tudo aqui. Tudo está entrando neste jogo.”

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Da esquerda para a direita: o diretor de arte Mike Yazijian, o diretor criativo Roman Campos-Oriola e o produtor sênior Philippe Ducharme (Foto: Divulgação/Electronic Arts)

Isso deverá ajudar os desenvolvedores da EA Motive, o estúdio por trás do game, a recriar a mesma ambientação e essência do jogo original, adaptando-a à nova geração de consoles. “Tudo está sendo refeito em Frostbite”, disse o diretor criativo Roman Campos-Oriola. Esse é o mesmo motor gráfico usado em Battlefield e em outros títulos da EA.

“Novos recursos, novos modelos de personagens, novos ambientes — embora estejamos nos baseando nos designs originais. Existem novas peças, novos adereços, novos modelos de colisão e assim por diante. Estamos reconstruindo tudo do zero, mas mantendo a mesma história e a mesma estrutura.”

Novo Dead Space virá com gráficos e carregamentos melhores

Arte conceitual do último jogo da franquia, Dead Space 3, mostra o personagem principal Isaac Clarke (Foto: Divulgação/Electronic Arts)

O armazenamento em SSD, uma novidade do PS5 e do Xbox Series X|S, também deve diminuir os tempos de carregamento. “Queremos oferecer uma experiência totalmente ininterrupta, da tela de início aos créditos finais”, disse Campos-Oriola. Ou seja, não haverá cortes entre os trechos de gameplay e cutscenes do remake (a não ser nos momentos em que o jogador morrer, é claro), de maneira semelhante ao que acontece com God of War (2018).

O poder de processamento da nova geração também deve melhorar os gráficos e a ambientação macabra de Dead Space. “Você consegue sentir a profundidade de uma sala, a espessura do ar”, disse Ducharme. “Estamos jogando com sombras e com iluminação dinâmica. Isso não cria apenas o clima e a atmosfera, mas também afeta a jogabilidade, porque o jogador pode controlar a iluminação em certas áreas da nave”.

Jogo ainda não tem data de lançamento

O remake de Dead Space foi anunciado durante o EA Play de julho, e ainda não tem nada de lançamento. Desenvolvido pela EA Motive (mesmo estúdio de Star Wars Squadrons), o título está confirmado para PC, PlayStation 5, Xbox Series X e Series S.

Em Dead Space, jogador controla Isaac Clarke, engenheiro que tenta sobreviver a monstros alienígenas (Foto: Divulgação/Electronic Arts)

A história segue Isaac Clarke, um engenheiro que recebe a missão de consertar uma nave especial. Ao chegar lá, ele descobre que alienígenas invadiram as instalações, e toda a tripulação foi massacrada.

O game foi um sucesso de crítica, e recebeu duas continuações: Dead Space 2, de 2011, e Dead Space 3, de 2013. Esse último, no entanto, foi mal recebido pela crítica por trazer mais ação e menos horror, o que levou a EA a cancelar o desenvolvimento de novos jogos — até agora.

Fonte: Collider, Electronic Arts

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.