Cyberpunk 2077 | Desenvolvedores se revoltam com CD Projekt Red

Por Wagner Wakka | 22 de Dezembro de 2020 às 08h52
CD Projekt RED

Os próprios desenvolvedores da CD Projekt Red estão questionando a empresa sobre os problemas de Cyberpunk 2077. Considerado um dos principais jogos do ano, o título foi lançado em 10 de dezembro recheado de bugs e com desempenho tão abaixo do esperado na atual geração de consoles que a Sony o retirou de sua loja.

Em videoconferência, os diretores do estúdio foram questionados pelos desenvolvedores sobre o lançamento do jogo. Tal ligação não foi pública, mas participantes do encontro relataram alguns acontecimentos ao jornalista Jason Scheirer, da Bloomberg.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Segundo as fontes. A reunião foi sobre as mudanças na reputação da empresa, além de problemas trabalhistas, prazos impossíveis de alcançar e excesso de horas extras nos meses anteriores ao lançamento.

Um dos funcionários questionou o fato de que a empresa havia informado, em janeiro, que o jogo estava completo e jogável, o que posteriormente se mostrou uma mentira. A resposta, de acordo com as fontes, foi a de que a direção seria responsabilizada por isso.

Outra pessoa do time ainda levantou a ironia de que Cyberpunk 2077 é um game sobre corporações abusivas, sendo que o título foi feito em cima de trabalho excessivo dos seus funcionários. Segundo os relatos, a resposta para isso foi vaga.

A reunião aconteceu antes do episódio entre a CD Projekt Red e Sony. Reconhecendo a falta de desempenho do jogo no PlayStation 4 e Xbox One, a desenvolvedora prometeu devolver o dinheiro para quem não quisesse esperar os patches de correção que sairão até fevereiro de 2021. Inicialmente, a Sony se recusou a devolver o dinheiro das compras, mas recuou, iniciou o reembolso e retirou Cyberpunk 2077 temporariamente de sua loja.

De acordo com a Bloomberg, vários dos desenvolvedores relatam a mesma coisa: os cronogramas eram sempre definidos pela mesa de diretores, mostrando-se irreais. Todos os desenvolvedores com quem Scheirer conversou disseram que era claro para o time que eles precisavam de mais tempo, mesmo trabalhando seis dias por semana.

Fonte: Blooomberg

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.